Marabá
27°C
Overcast clouds

Começa inferno astral do prefeito Darci Lermen

Prefeito é acusado de utilizar um “laranja” para realizar uma doação de 500 mil para campanha eleitoral em 2020
Momento do depósito do dinheiro em uma agência bancária – Crédito: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

O prefeito Darci José Lermen (MDB) de Parauapebas, no sudeste do Pará, vem passando por um momento muito complicado, conhecido como “inferno astral”, pois a magistrada Priscila Mousinho, marcou uma oitiva presencial para ouvir o doador, Marcelo Nascimento Beliche, no dia 20 de agosto de 2021, às 9 horas, na Sede do Cartório Eleitoral da 106ª ZE, de Parauapebas.

O investigado é suspeito de ter atuado como “laranja” em uma doação de R$ 500 mil, porém Marcelo Beliche declarou um pouco mais de R$ 40 mil no Imposto de Renda em 2019. Como o suspeito passou a ser investigado, o suposto doador fez a chamada delação premiada ao Ministério Público em troca de proteção de vida.

Para complicar ainda mais a defesa de Darci Lermen, o programa Fala Brasil da Rede Record de Televisão exibiu uma matéria sobre o caso, nesta sexta-feira (25) e mostrou uma entrevista com Marcelo em um local onde ele se encontra escondido. O “laranja” entregou toda a maracutaia realizada para ludibriar a prestação de contas.

A reportagem colocou ainda mais pressão sobre o Ministério Público Eleitoral para cassar a chapa composta por Darci  e “João do Verdurão” (PDT). O Portal Debate Carajás conversou com advogados especialistas em direito eleitoral em Marabá. Eles afirmaram que mesmo a doação tendo sido realizada em dezembro de 2020, após o processo eleitoral, existe uma grande chance da chapa Darci  e “João do Verdurão” ser cassada por crime eleitoral.

Fonte: Portal Debate Carajás

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!