Marabá
32°C
Clear sky

Sem 2ª dose da vacina, professores se recusam a retornar para escolas no Pará

Trabalhadores da educação só retornarão para a sala de aula após o completo esquema de vacinação e adequações sanitárias capazes de protegê-los da covid-19.
Foto: Ilustração/Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

O governador Helder Barbalho (MDB) anunciou em prosa e verso o retorno das aulas para a próxima segunda-feira (2), mas se esqueceu de combinar com “os russos”, ou seja, ele não deu a mínima importância para o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Estado do Pará (Sintepp). Como resultado da falta de diálogo com a categoria, uma greve sanitária foi deflagrada em assembleia geral, ocorrida no dia 2/7/2021.

Os educadores se recusaram a retornar para a sala de aula sem tomar a 2ª dose da vacina, pois, durante a pandemia da covid-19, centenas de professores morreram infectados pelo coronavírus em todo o Estado do Pará. Helder Barbalho é  acusado de se  reunir apenas com seus “chegados” do Conselho Estadual de Educação do Pará (CEE/PA) para poder passar um “tratoraço” em cima dos professores.

O Sintepp defende o retorno das “aulas remotas” (não presenciais) no dia 2/8/2021, completo esquema vacinal, sanitarização e ordenamento das escolas para o retorno das aulas presenciais. Nas maiores cidades, em média, a vacinação já chegou à faixa etária de 35 anos, mas em municípios como São João do Araguaia, Palestina do Pará, Itupiranga, Brejo Grande, todas no sudeste do Pará, entre dezenas de outras cidade menores, a vacinação a agora que chegou aos professores na faixa etária de 5o anos.

Dinheiro para adequar os prédios das unidades de ensino não entrou um centavo nas contas das escolas. O Portal Debate Carajás visitou alguns colégios estaduais em Marabá, para verificar in loco a adequação do local para receber os alunos e professores a partir de 2/8/2021, porém só foi visto a instalação de umas poucas pias para lavar as mãos, como se essa medida mequetrefe fosse suficiente para proteger os educadores e alunos da temida covid-19.

A orientação do Sindicato dos Trabalhadores em Educação é para que os professores continuem com as aulas remotas a partir desta segunda-feira (2). O Sintepp cobra de Helder Barbalho a completa vacinação dos trabalhadores, medidas sanitárias e estruturais para o retorno de aulas presenciais. Para aumentar ainda mais o medo de serem mortos pelo novo coronavírus, tudo indica que a mais letal de todas as cepas, a temida Variante Delta, já chegou ao Estado do Pará. (Pedro Souza/Portal Debate Carajás)

Crédito: Reprodução

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!