Marabá
30°C
Clear sky

Réu por homicídio é condenado a 10 anos de prisão em Marabá

A acusação pediu o reconhecimento do crime de homicídio simples, enquanto a defesa trabalhou a tese de legítima defesa para alcançar a absolvição no tribunal do júri
Foto: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

A 3ª Vara Criminal da Comarca de Marabá realizou na quarta-feira (7) o julgamento de Gilson Souza Rodrigues, réu por homicídio qualificado, acusado de ter esfaqueado diversas vezes a vítima Abdias Batista Nicolau em 22 de janeiro de 2016. O Conselho de Sentença entendeu por não absolver o réu e o juiz de direito substituto, presidente do Tribunal do Júri, Tadeu Trancoso de Souza, fixou a pena em 10 anos de reclusão, inicialmente em regime fechado.

A acusação pugnou pelo reconhecimento do crime de homicídio simples, conduta tipificada no artigo 121, caput, do Código Penal. A defesa do denunciado pugnou pelo reconhecimento da legítima defesa, pedindo sua absolvição. Após a citação, o réu tomou rumo incerto e seu paradeiro é ignorado até a presente data. Na sessão plenária, a prisão preventiva de Gilson foi decretada e o mandado de prisão expedido.

O júri ocorreu em meio à realização de Correição Geral Ordinária na Comarca de Marabá, designada pela corregedora-geral de Justiça do Tribunal de Justiça do Pará (TJPA), desembargadora Rosileide Maria da Costa Cunha, que junto aos juízes auxiliares Lúcio Guerreiro e Ana Angélica Olegário, e servidores e servidoras da Corregedoria, desde a segunda-feira, 5, vêm desenvolvendo os trabalhos na Comarca do sudeste paraense.

Por meio da orientação, o órgão correcional tem a expectativa de fazer um trabalho preventivo e de incentivo às Varas. Nos dias 7 e 8, as 2ª Vara Cível e 2ª Vara Criminal passarão pelos trabalhos e, no dia 9, serão correicionadas as Vara Agrária e Juizado do Meio Ambiente. Nos dias 5 e 6, passaram pela correição as 1ª Vara Cível e a 1ª Vara Criminal. 

A equipe da Corregedoria monitora a organização das varas e o andamento dos feitos. São ainda apresentados os sistemas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e avaliada a produtividade mediante a apuração das metas nacionais. (Ascom TJPA)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!