Marabá
32°C
Overcast clouds

Polícia confirma morte de adolescente com golpes de gilete no pescoço

Colega de quarto confessou o cometimento do ato infracional e deve responder pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)
O Centro de Internação do Adolescente Masculino de Marabá (Ciam) | Foto: Divulgação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

MARABÁ, SUDESTE DO PARÁ — A Polícia Civil de Marabá confirmou que o adolescente Eduardo Ferreira Lima, de 14 anos, foi assassinado na madrugada desta sexta-feira (24), nas dependências do Centro de Internação do Adolescente Masculino (Ciam), com golpes de lâmina de barbear no pescoço e nos pulsos. O autor do ato infracional análogo ao crime de homicídio é um adolescente de 17 anos, que dividia o quarto com a vítima.

A gestora do Ciam, Lucileia Cardoso Cavalcante, foi quem informou as autoridades, ainda no início da manhã, sobre o homicídio cometido na unidade de ressocialização de adolescentes em conflito com a lei.

Segundo a gestora, a vítima foi encontrada morta dentro do quarto 4, na ala B, junto com outros dois internos. Quando os funcionários do estabelecimento questionaram os adolescentes sobre o que havia acontecido, um deles confessou o ato, alegando legítima defesa.

Conforme o autor, Eduardo havia tentado atacá-lo com uma gilete, mas ele conseguiu imobilizá-lo com um golpe conhecido como gravata ou mata-leão e, depois disso, o feriu até a morte com a lâmina de barbear. Cortes profundos foram verificados no pescoço e nos pulsos da vítima.

O adolescente autor deve responder à infração conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), porque ele ainda não atingiu a maioridade. Segundo o artigo 103 do estatuto, o ato infracional é a conduta da criança e do adolescente que pode ser descrita como crime ou contravenção penal. Se o infrator fosse pessoa com mais de 18 anos, o termo adotado seria crime, delito ou contravenção penal.

Ainda segundo Lucileia, até o ocorrido, a administração do Ciam não tinha conhecimento de nenhum conflito entre autor e vítima. A servidora pública também relatou que a lâmina utilizada no ato foi retirada dos barbeadores que os internos recebem para a higiene pessoal. (Portal Debate Carajás)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!