Marabá
31°C
Clear sky

PM é preso por participação em assalto a banco no Pará

Agência do Banco do Brasil é alvo de ação criminosa violenta em Cametá, no Pará — Foto: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Foi preso nesta quarta-feira (3), pela Polícia Civil do Pará, um policial conhecido na corporação como Cabo Xavier, suspeito de participação no assalto ao Banco do Brasil no município de Cametá, nordeste do Pará. De acordo com a Polícia, mais informações sobre o caso serão repassadas em breve, assim como os detalhes que levaram a prisão do suspeito.

Ainda de acordo com a PC, também foram efetuadas buscas em dois outros endereço que pertencem ao acusado. As investigações e diligências para prender demais envolvidos no crime continuam pela Divisão de Repressão e Combate ao Crime Organizado.

Recentemente a polícia prendeu no Tocantins, outro suspeito de envolvimento no crime. De acordo com as investigações, ele teria participado diretamente do planejamento e execução do roubo e tinha mandado de prisão expedido pela Comarca de Cametá.

O Portal Roma News procurou a assessoria de imprensa da Polícia Militar para mais informações sobre o caso e aguarda o retorno.

Alessandro foi morto pelos criminosos no assalto - Foto: Arquivo pessoal
Alessandro foi morto pelos criminosos no assalto

Novo cangaço

No dia 1º de dezembro de 2020, uma quadrilha com cerca de 10 criminosos tomou conta das ruas de Cametá enquanto assaltava uma agência do Banco do Brasil, no fim da noite. Os criminosos fizeram diversas pessoas que estavam na praça da cidade naquele momento de escudo humano, em frente à agência bancária. O bando também aterrorizou os moradores ao efetuarem diversos disparos contra o quartel da PM na cidade.

Mesmo diante da ação violenta, os criminosos não tiveram êxito. A quadrilha planejou mal e errou o cofre e não levou nada da agência, segundo informou à época o Governo do Estado.

Alessandro de Jesus Lopes Moraes, foi morto durante o crime, enquanto era mantido refém pelos criminosos. Outra pessoa também chegou a ser atingida na perna.

Esse tipo de crime é conhecido como “novo cangaço” ou “vapor”, que tem como características ações rápidas, violentas e, com inúmeros disparos de armas de fogo, tomando de reféns a população e fazendo uso de explosivos. Geralmente ocorrem em em cidades de médio e pequeno porte.

Fonte: Roma News

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!