Em 15 dias, a Polícia Civil do Pará, por meio da Diretoria de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAV), realizou 25 averiguações de denúncias feitas aos canais 181 e 100. As ações foram realizadas para dar cumprimento a operação “Não se Cale!” com referência à campanha ‘Maio Laranja’, que visa o combate à exploração e abuso sexual de crianças e adolescentes.

“A operação tem como objetivo dar cumprimento às ocorrências sobre abuso e exploração infantil, vindas do disque denúncia. A ação contou com investigadores e assistente social para fazer o atendimento e estudo social diretamente no local dos fatos, evitando que as pessoas se desloquem até a delegacia mais próxima, e exponham a saúde de crianças e adolescente, em tempos de pandemia”, explicou a delegada Joseângela Santos, titular da DAV.

Na última quinta-feira (28), a Delegacia Especializada no Atendimento à Criança e ao Adolescente (Deaca) e a Divisão de Atendimento ao Adolescente (Data) fizeram diligências da operação “Não se cale” no município de Ananindeua.

Em uma das casas denunciadas, a assistente social da Polícia Civil percebeu que haviam sinais de que as crianças estavam em risco e, ao conversar com uma delas, soube que a menina era abusada sexualmente pelo padrasto, e que o homem também abusava da irmã mais nova.

Diante das informações fornecidas livremente pelas vítimas, todos foram levados a Deaca de Ananindeua. O homem acusado de abuso sexual foi preso, e instaurado o inquérito para investigar o crime.

“A Diretoria de Atendimento a Grupos Vulneráveis reforça a importância de efetuar a denúncia pelo 181. Em período de isolamento social, a Polícia Civil busca adaptar e aperfeiçoar o atendimento das denúncias, levando atendimento para mais perto da população”, finalizou a delegada.

Diário do Pará