Marabá
24°C
Overcast clouds

Monstro é acusado de estuprar meninas de 3, 9 e 11 anos no interior do Pará

Agressor é pai, padrasto e vizinho das crianças. Ele foi detido pela Polícia Militar, mas liberado em seguida.
Crédito: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Um caso de estupro de vulnerável chocou moradores do Ariramba, no Distrito de Mosqueiro, distante cerca de 75 km de Belém. Pelo menos três meninas – de 11, 9 e 3 anos de idade – foram abusadas por um homem da localidade. O agressor é pai da vítima mais jovem, padrasto da garota de nove anos e vizinho da criança mais velha. O caso foi atendido pelo Conselho Tutelar da localidade.

Responsável pelo caso, o conselheiro Josenildo Almeida explica que uma denúncia anônima indicou que uma menina de nove anos estava sofrendo abusos por parte do padrasto, com quem a mãe morava há cinco anos. A equipe de conselheiros seguiu até o endereço informado, com apoio da Polícia Militar. Foi então que outras duas vítimas surgiram.

“Fomos averiguar a denúncia anônima. Conduzimos a mãe, o padrasto e a criança até o Conselho Tutelar e, no meio do atendimento dessa vítima, tomamos conhecimento de que outras crianças foram abusadas por ele, inclusive a própria filha do casal”, detalha.

As outras duas crianças também foram ouvidas e o acusado foi encaminhado para a Seccional de Mosqueiro, quando um boletim de ocorrência foi registrado no dia 21 de abril. Entretanto, horas depois, o acusado foi solto pelo delegado Douglas Murilo Nogueira, que alegou não poder manter a prisão por não se tratar de flagrante.

“A Polícia Civil já tinha liberado enquanto a gente tinha ouvido as crianças. O que nós fizemos foram os procedimentos de proteção, com afastamento da casa e o atendimento psicossocial. Segundo o delegado, não havia flagrante e por isso ele não podia ser preso, sendo que ele tem passagem pela Polícia, estava em condicional e usando uma tornozeleira eletrônica”, relata.

Mãe sabia dos abusos das filhas, aponta familar

Segundo Almeida, a mãe da menina inicialmente negou que sabia dos crimes que vinham sendo cometidos contra as duas filhas. “De início ela negou que sabia das informações, mas a própria filha falou que tinha contato para ela. Depois disso, ela se mudou e resolveu fazer os procedimentos contra o companheiro”, conta. Moradores do local relataram que o casal não trabalhava e tinha vícios em entorpecentes.

A tia da criança – que não será identificada para preservar a identidade da vítima – acredita que a mãe da menina sabia dos crimes. A mulher relata que o companheiro da ex-cunhada já foi preso pelos crimes de roubo e tráfico de drogas. A menina vivia com a mãe há pouco mais de um ano e agora voltou a morar com o pai.

“Será que a gente não vai ter Justiça? Depois da minha sobrinha, apareceram outros casos. Se ele tá solto, ele vai continuar fazendo isso. Ele não respeitou nem a própria filha”, lamenta a familiar da menina.

A reportagem entrou em contato com a Polícia Civil e pediu esclarecimentos sobre a razão que levou o acusado a ter sido solto e se houve a solicitação de prisão preventiva. O homem fugiu após os crimes.

Fonte: O Liberal

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!