Marabá
31°C
Overcast clouds

Jesus nasceu mesmo em Belém? Por que os Evangelhos divergem no tema

Mural de David Bjorgen na Igreja São João Batista, no rio Jordão, que retrata o nascimento de Jesus: a ideia de que o fundador do cristianismo nasceu em Belém está lastreada em apenas um dos evangelhos. Crédito: David Bjorgen/Wikimedia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Todo Natal, uma cidade relativamente pequena na Cisjordânia Palestina é o centro das atenções: Belém. Jesus, de acordo com algumas fontes bíblicas, nasceu nessa cidade há cerca de dois milênios.

No entanto, os Evangelhos do Novo Testamento não concordam sobre os detalhes do nascimento de Jesus em Belém. Alguns nem mencionam Belém ou o nascimento de Jesus.

As diferentes visões dos Evangelhos podem ser difíceis de conciliar. Mas, como um estudioso do Novo Testamento, o que argumento é que os Evangelhos oferecem uma importante visão das visões greco-romanas da identidade étnica, incluindo genealogias.

Hoje, as genealogias podem trazer mais consciência sobre o histórico médico da família ou ajudar a descobrir membros perdidos da família. Na era greco-romana, histórias de nascimento e reivindicações genealógicas eram usadas para estabelecer direitos de governar e vincular indivíduos com uma suposta grandeza ancestral.

Evangelho de Mateus

De acordo com o Evangelho de Mateus, o primeiro Evangelho do cânone do Novo Testamento, José e Maria estavam em Belém quando Jesus nasceu. A história começa com sábios que vêm à cidade de Jerusalém depois de ver uma estrela que interpretaram como sinal do nascimento de um novo rei.

Ela continua descrevendo o encontro deles com o rei judeu local chamado Herodes, a quem eles perguntaram sobre o local do nascimento de Jesus. O Evangelho diz que a Estrela de Belém posteriormente os conduz a uma casa – não a uma manjedoura – onde Jesus nasceu de José e Maria.

Cheios de alegria, eles adoram Jesus e apresentam presentes de ouro, incenso e mirra. Eram presentes valiosos, especialmente incenso e mirra, fragrâncias caras que tinham uso medicinal.

O Evangelho explica que, após a visita, José tem um sonho em que é avisado da tentativa de Herodes de matar o menino Jesus. Quando os sábios foram a Herodes com a notícia de que uma criança havia nascido para ser o rei dos judeus, ele fez um plano para matar todas as crianças pequenas a fim de remover a ameaça ao seu trono.

Em seguida, menciona como José, Maria e o menino Jesus partem rumo ao Egito para escapar da tentativa do rei Herodes de assassinar todas as crianças.

Mateus também diz que depois que Herodes morre de uma doença, José, Maria e Jesus não voltam para Belém. Em vez disso, eles viajam para o norte, para Nazaré, na Galileia, que é a atual Nazaré em Israel.

Nascimento de Jesus em uma manjedoura – Crédito: Galeria da Wellcome Collection

Evangelho de Lucas

O Evangelho de Lucas, um relato da vida de Jesus escrito durante o mesmo período do Evangelho de Mateus, tem uma versão diferente do nascimento de Jesus. O Evangelho de Lucas começa com José e Maria grávida na Galileia.

Eles viajam para Belém em resposta a um censo que o imperador romano César Augusto exigiu de todo o povo judeu. Visto que José era descendente do rei Davi, Belém era a cidade natal onde ele deveria se registrar.

O Evangelho de Lucas não inclui a fuga para o Egito, nenhum paranoico rei Herodes, nenhum assassinato de crianças e nenhum homem sábio visitando o menino Jesus. Jesus nasceu em uma manjedoura porque todos os viajantes lotavam os quartos de hóspedes.

Após o nascimento, José e Maria são visitados não por homens sábios, mas por pastores, que também ficaram muito felizes com o nascimento de Jesus.

Lucas diz que esses pastores foram notificados sobre a localização de Jesus em Belém pelos anjos. Não há nenhuma estrela guia na história de Lucas, nem os pastores trazem presentes para o menino Jesus. Lucas também menciona que José, Maria e Jesus saem de Belém oito dias após seu nascimento e viajam para Jerusalém, e depois para Nazaré.

Conciliação impossível

As diferenças entre Mateus e Lucas são quase impossíveis de conciliar, embora compartilhem algumas semelhanças. John Meier, um estudioso do Jesus histórico, explica que o “nascimento de Jesus em Belém não deve ser considerado um fato histórico”, mas uma “afirmação teológica colocada na forma de uma narrativa aparentemente histórica”.

Em outras palavras, a crença de que Jesus era descendente do rei Davi levou ao desenvolvimento de uma história sobre o nascimento de Jesus em Belém.

Raymond Brown, outro estudioso dos Evangelhos, também afirma que “as duas narrativas não são apenas diferentes – são contrárias uma à outra em vários detalhes”.

Evangelhos de Marcos e João

O que torna o assunto mais difícil é que nenhum dos outros Evangelhos, o de Marcos e João, menciona o nascimento de Jesus ou sua conexão com Belém.

O Evangelho de Marcos é o primeiro relato da vida de Jesus, escrito por volta de 60 d.C. O capítulo inicial de Marcos diz que Jesus é de “Nazaré da Galileia”. Isso é repetido em todo o Evangelho em várias ocasiões, e Belém nunca é mencionada.

Um mendigo cego no Evangelho de Marcos descreve Jesus como sendo de Nazaré e filho de Davi, o segundo rei de Israel e Judá durante 1010-970 a.C. Mas o rei Davi não nasceu em Nazaré nem se associou àquela cidade. Ele era de Belém. No entanto, Marcos não identifica Jesus com a cidade de Belém.

O Evangelho de João, escrito cerca de 15 a 20 anos depois do de Marcos, também não associa Jesus a Belém. Galileia é a cidade natal de Jesus. Jesus encontra seus primeiros discípulos, faz vários milagres e tem irmãos na Galileia.

Profecia do Messias

Isso não quer dizer que João desconhecia o significado de Belém. João menciona um debate em que alguns judeus se referiam à profecia que afirmava que o Messias seria descendente de Davi e viria de Belém. Mas Jesus, de acordo com o Evangelho de João, nunca está associado a Belém, mas à Galileia e, mais especificamente, a Nazaré.

Os Evangelhos de Marcos e João revelam que eles tiveram problemas para ligar Belém a Jesus, não sabiam seu local de nascimento ou não estavam preocupados com essa cidade.

Esses não foram os únicos. O apóstolo Paulo, que escreveu os primeiros documentos do Novo Testamento, considerava Jesus um descendente de Davi, mas não o associa a Belém. O Livro do Apocalipse também afirma que Jesus era descendente de Davi, mas não menciona Belém.

Davi entregando ao rei Saul a cabeça de Golias – Wolfgang Sauber/Wikimedia Commons

Uma identidade étnica

Durante o período da vida de Jesus, havia múltiplas perspectivas sobre o Messias. Em uma corrente do pensamento judaico, esperava-se que o Messias fosse um governante eterno da linhagem de Davi. Outros textos judaicos, como o livro 4 de Esdras, escrito no mesmo século dos Evangelhos, e a literatura sectária judaica de Qumran, escrita dois séculos antes, também ecoam essa crença.

Mas dentro da Bíblia hebraica, um livro profético chamado Miqueias, que se pensava ter sido escrito por volta de 722 a.C., profetiza que o Messias viria da cidade natal de Davi, Belém. Esse texto é repetido na versão de Mateus. Lucas menciona que Jesus não só está genealogicamente conectado ao rei Davi, mas também nasceu em Belém, “a cidade de Davi”.

Reivindicações genealógicas foram feitas para importantes fundadores antigos e líderes políticos. Por exemplo, Ion, o fundador das colônias gregas na Ásia, era considerado um descendente de Apolo. Alexandre Magno, cujo império estendia-se da Macedônia à Índia, era considerado filho de Hércules.

César Augusto, que foi o primeiro imperador romano, foi proclamado descendente de Apolo. E um escritor judeu chamado Filo, que viveu no primeiro século, escreveu que Abraão e os sacerdotes e profetas judeus haviam nascido de Deus.

Herança da posteridade

Independentemente de se essas alegações foram aceitas na época como verdadeiras, elas moldaram a identidade étnica, o status político e as reivindicações de honra de uma pessoa. Como explica o historiador grego Políbio, os feitos de renome dos ancestrais são “parte da herança da posteridade”.

A inclusão de Mateus e Lucas da cidade de Belém contribuiu para a afirmação de que Jesus era o Messias de uma linhagem davídica. Eles se certificaram de que os leitores estivessem cientes da conexão genealógica de Jesus com o rei Davi com a menção desta cidade. As histórias de nascimento em Belém solidificaram a afirmação de que Jesus era um descendente legítimo do rei Davi.

Então, hoje, quando a importância de Belém é ouvida nas canções de Natal ou exibida nos presépios, o nome da cidade conecta Jesus a uma linhagem ancestral e à esperança profética de um novo líder como o rei Davi.

Fonte: Revista Planeta

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!