Marabá
25°C
Few clouds

“Ensaio Amazônico” de bebê gera polêmica e mãe retruca: “Não dá pra agradar todo mundo”

As fotos foram feitas em Breves, no Marajó, geraram polêmica, mas a mãe garante que havia várias pessoas dando suporte na hora do ensaio.
Crédito: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Para celebrar os nove meses do pequeno Mateus Belo de Brito, os pais do menino, que são paraenses, decidiram fazer um ensaio fotográfico simples e original. A sessão aconteceu na beira do rio, dentro de uma canoa e com apetrechos típicos de caboclos e ribeirinhos.

Apesar de ter viralizado na Web e feito muito sucesso, várias pessoas criticaram os pais do bebê e disseram que eles o “colocaram em perigo”.

Suziane Belo e Edinaldo Brito, os pais da criança, moram em Macapá e estão passando férias no município de Breves, Marajó (PA), onde nasceram. A mãe do menino disse que a ideia surgiu pois eles estão na casa da avó materna e os tios trabalham com a fabricação de canoas.

“Um tio fez o remo e o casquinho, o outro fez o brinquedo simulando o instrumento de caça, outro escolheu os melhores cachos de açaí para caber na canoa, o pai fez o feixes e o caniço. As ideias surgiram naquele momento mesmo, não teve planejamento e as fotos foram feitas de três celulares, tudo de maneira super simples”, contou.

Suziane falou que se surpreendeu com a repercussão das fotos nas redes sociais. Em menos de 24 horas, já havia mais de 8 mil compartilhamentos.

A publicação possui várias mensagens de carinho e pessoas sugerindo a ideia para outros. Porém, algumas outras pessoas fizeram críticas muito duras e disseram que os pais colocaram a criança em perigo.

Para esclarecer toda a situação, a mãe do bebê disse que eles tomaram cuidado com o filho. A pequena canoa estava fixada em um pedaço de madeira que estava submerso. Além disso, havia 3 pessoas na água dando apoio e o local tinha sombra.

E em relação às críticas sobre a criança estar segurando a réplica de um rifle, ela explica: “Esse instrumento é essencial na vida do ribeirinho para a sua subsistência e era apenas um brinquedo feito a mão. Não liguei muito. Não dá pra agradar todo mundo”, finalizou. (O Liberal)

Crédito: Portal Seles Nafes

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!