Marabá
24°C
Scattered clouds

Em bandeira amarela, Marabá quer manter bares abertos por enquanto

Comitê de Acompanhamento da Covid-19 deve se reunir para tratar da matéria em breve | Foto: Arquivo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

ERRATA: Diversamente ao veiculado na manchete desta matéria em momento anterior, a zona por nível de risco em que se encontra Marabá mudou da cor verde (risco baixo) para a amarela (risco intermediário) com a recente atualização do Decreto Estadual nº 800/2020. Por este motivo, pedimos desculpas a você leitor.

Em Marabá, ao contrário do Pará, os bares permanecem funcionando até a edição de um novo decreto pela prefeitura. Por enquanto, segue valendo o Decreto Municipal nº 150/2021, que limita o horário de funcionamento dos bares até a meia-noite e a capacidade máxima de pessoas por ambiente, que agora é de 50%.

A informação foi transmitida pelo secretário municipal de Comunicação, Alessandro Viana, após questionamento deste Portal Debate Carajás quanto à decisão do governador Helder Barbalho de proibir o funcionamento destes estabelecimentos no Pará a partir desta quinta-feira (21).

Conforme Viana, decisão de fechamento de bares em Marabá só deve ser tomada após consulta à Divisão de Vigilância Sanitária (Divisa) e ao Comitê de Acompanhamento da Covid-19, que deve se reunir nos próximos dias para tratar da matéria.

Com a recente atualização do Decreto Estadual nº 800/2020, a faixa de risco em que se encontra Marabá mudou da cor verde, de risco baixo, para a amarela, de risco intermediário. A alteração pode influenciar no veredito do poder público.

Por outro lado, proprietários de bares e congêneres marcam para a manhã desta sexta-feira (22), em uma pizzaria da cidade, coletiva de imprensa a fim de sensibilizar as autoridades pela manutenção do funcionamento.

No Pará

Helder justificou que a determinação contrária a bares, festas e shows tem o objetivo de evitar que haja, nos municípios do Pará, colapso do sistema de saúde semelhante ao vivido no Amazonas.

“Estamos muito preocupados com o que está acontecendo no Amazonas e começamos a perceber uma pressão no sistema de saúde nos municípios da fronteira com o estado vizinho. Por isso, estamos decretando, a partir de amanhã, uma mudança de bandeiramento”, ponderou.

Apenas restaurantes continuam permitidos a operar, desde que respeitados o espaçamento mínimo de 1,5 metro e a quantidade máxima de 50% de pessoas no interior, com horário de funcionamento até a meia-noite.

“Peço a você, por favor, consciência. Estamos no momento da vacina e logo todos serão imunizados. Enquanto isso não acontece, use máscara. O vírus continua e temos que ter solidariedade com o próximo”, completou Helder. (Vinícius Soares)

Matéria atualizada às 16h44 de 21 de janeiro de 2021

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!