Marabá
26°C
Overcast clouds

Massacre de Eldorado completa 25 anos e Pará lidera ranking de mortes em conflitos agrários

19 trabalhadores rurais foram mortos em confronto com policiais militares | Foto: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

O dia 17 de abril é marcado por um dos maiores conflitos de terra do Brasil, pois há 25 anos ocorria o Massacre de Eldorado do Carajás. Na ocasião, 19 trabalhadores rurais, que protestavam na PA-150, no trecho conhecido como “Curva do S”, foram mortos em confronto com policiais militares. Apesar de mais de duas décadas depois do atentado, o Pará é o estado que mais mata pessoas por disputa de terras.

Segundo um levantamento realizado pela Comissão Pastoral da Terra, entre os anos de 2010 e 2020 no Pará, 133 pessoas foram assassinadas. Várias varas agrárias foram criadas a partir do Massacre, para ajudar a diminuir os conflitos em áreas rurais. Apesar disso, os números ainda são alarmantes e não existem sinais de que o problema seja resolvido.

O camponês Batista, morador da zona rural de Parauapebas, ainda sofre com as consequências de um conflito agrário. Ele é um sobrevivente do Massacre de Eldorado e conta os momentos de terror que viveu durante o atentado, ocorrido foi no dia 17 de abril de 1996. A defesa dos militares alegam que a tropa foi atacada pelos integrantes do MST acampados na área.

“Eu sou filho de um casal de camponeses, nordestino, que vieram pra essa região em busca de melhores condições de vida. Na hora dos tiros não consegui andar muito. Tinha colega baleado, chorando desesperado. Consegui encontrar minha mãe com 3 irmãos, às 22h, meu pai às 0h, e a minha irmã de cinco anos no outro dia, de manhã”, relata.

De acordo com o Ministério Público (MPPA), os policiais autores do massacre retiraram os corpos do local e destruíram provas para dificultar as investigações. Os dois comandantes da operação foram julgados e punidos. A sentença do Coronel Pantoja, foi de 208 anos de prisão. Ele morreu em 2020.

Já o Major Oliveira, um dos comandantes da tropa, cumpre pena em regime domiciliar, mas foi condenado a 158 anos de prisão. O caso gerou uma repercussão mundial. (Portal Debate Carajás, com G1 Pará)

Policiais condenados pelo massacre de Eldorado dos Carajás podem ter penas extintas - Portal Roma News
Crédito: Reprodução

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!