Após 16 dias internada, policial grávida baleada recebe alta hospitalar e é homenageada

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Após 16 dias de internação na Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém, a policial militar Kethlen Lima Silva, de 23 anos, recebeu alta nesta quarta-feira (8). Bastante emocionada, ela presenciou diversas demonstrações de carinho de seus colegas de farda Rondas Ostensivas Táticas Motorizadas (Rotam), na saída do hospital.

Ketlen Lima acompanhada da mãe e esposo

De acordo com a Polícia, a soldado estava com a mãe no conjunto Guajará I e sofreu a agressão no início da tarde do dia 19, cometida por um suspeito que atirou contra ela e ainda roubou sua arma. Durante a internação, a jovem militar passou por uma cirurgia e seu estado de saúde se estabilizou, no entanto ela permaneceu em observação na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) da Santa Casa.

Na tarde desta quinta-feira, ela agradeceu e elogiou o tratamento recebido por toda a equipe que a assistiu na Fundação Santa Casa, bem como o carinho dos colegas, que disse considerar sua vida, sua família.

No dia 2 de agosto, equipes da Rotam trocaram tiros com um suspeito de envolvimento no atentado contra Kethlen, no bairro do Tapanã, em Belém. A informação é de que levado para o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, em Ananindeua, o suspeito não resistiu aos ferimentos e morreu. 

A PM informou que chegou ao criminoso por denúncia. Ele teria sido reconhecido como o autor do disparo contra a policial. O homem foi encontrado em uma residência e, segundo a Polícia, ao perceber a presença dos policiais, teria sacado uma arma e atirou em direção às equipes, que revidaram.

“Orelha”, acusado de atirar na policial, morreu em troca de tiros com os militares

“Graças a Deus podemos ter a Kethlen novamente no seio da tropa, que é sua família. Ela passou por momentos difíceis ao ser baleada e perder o filho, mas Deus abençoou e ela se recuperou depois de mais de duas semanas internada. O coronel Firmino e o Major Lima Neto organizaram o batalhão para que a gente viesse à frente da Santa Casa fazer essa recepção que é o mínimo do mínimo do que ela merece, pois essa guerreira conseguiu uma das maiores vitorias da sua vida, é por isso que estamos aqui recebendo ela de braços abertos”, afirmou o capitão Rudson Ramos, que atua no Batalhão de Polícia Tática (Bpot), e esteve nas homenagens da Rotam ao soldado.

O Liberal

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!