O vereador Agnaldo Rosas de Oliveira (PSB), 51 anos, morreu nesta segunda-feira, 01 junho, em decorrência da covid-19. Agnaldo estava internado no Hospital Regional Público da Transamazônica desde o dia 15 de maio em um leito de UTI.

Ele estava sendo medicado, chegou a ser entubado, mas não resistiu às complicações causadas pelo novo coronavírus. No dia 30 de abril, o parlamentar já havia perdido uma irmã em Belém, também vítima da Covid-19.

Natural de Altamira, Agnaldo Rosas era formado em Direito desde 2003, pela Universidade Federal do Pará. Em 2016 conseguiu chegar à Câmara de Vereadores de Altamira sem gastar nenhum centavo. Por dois anos foi presidente do Partido Socialista Brasileiro (PSB). Em 2018 chegou a se candidatar ao cargo de deputado estadual.

Como parlamentar, Agnaldo Rosas sempre manteve uma postura contrária à atual gestão do município, por acreditar que o governo municipal poderia ser mais humanizado e transparente nas suas ações.

Desde o início do mandato, em janeiro de 2017 lutou pela realização do concurso público municipal. Foi autor do projeto de Lei 102/2019 que obrigou a Prefeitura de Altamira a afixar placas informativas em todas as obras realizadas pelo município, com valor, o nome da empresa que venceu a licitação e o prazo de conclusão.

O lado humano de Agnaldo Rosas

De uma humildade peculiar e com uma simplicidade tamanha, Agnaldo Rosas, às vezes, passava despercebido em algumas reuniões como vereador e até mesmo por sua profissão. Como advogado nunca exigiu que ninguém o chamasse de doutor. Na maioria das causas, advogou de graça, principalmente para os mais necessitados.

Era através das redes sociais, principalmente nos grupos de WhatsApp, que ele expressava suas ideias e sempre deixou bem claro a esperança de dias melhores para a cidade de Altamira, mas quis o destino que ele partisse antes de ver seus sonhos realizados, porque quem teve a chance de conhecê-lo sabe de suas qualidades e de seu caráter admirável.

Homenagem ao vereador

Sabemos amigo que você lutou até onde as suas forças permitiram. Você não desistiu de viver. Como um bom guerreiro que é, você aceitou que era hora de acabar a guerra, porque não podemos desafiar o destino.

Partiste de forma repentina amigo, diante de uma pandemia que nem vamos poder fazer a última homenagem da forma que você merecia, mas sabendo da sua simplicidade, sei que isso pouco importaria, pois afinal foste um homem admirável, respeitável e de bem.

Cumpriste sua missão aqui na terra. Cumpriste como parlamentar, como homem de família, como um pensador, como um visionário, como um grande amigo.

Resta para nós pedirmos a Deus que lhe dê uma passagem serena, pois todo mundo tem uma missão e precisa seguir o seu próprio caminho para que possa se tornar também uma estrela na grandeza do céu e na infinidade da eternidade. Obrigado por tudo, meu amigo Agnaldo Rosas.

A Voz do Xingu