Marabá
27°C
Scattered clouds

Vereador é alvo de busca e apreensão suspeito de crime de concussão no Pará

Parlamentar estaria cometendo o crime de concussão, ao conseguir interferir na ordem de espera para atendimento pelo SUS
Vereador Marinaldo Soares - Crédito: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

A Polícia Civil realizou na manhã desta sexta-feira, 13, uma operação de busca e apreensão na residência e no escritório político do vereador Marinaldo Galdino Soares (MDB), em Santa Izabel do Pará, região metropolitana de Belém, após investigações que apontaram a existência de um esquema de corrupção para furar a fila do Sistema Único de Saúde (SUS), em troca de favores políticos ao parlamentar e aliados.

O esquema, caracterizado como concussão, envolve a participação direta do vereador e de servidores públicos para burlar a ordem dos atendimentos e deixar para trás na fila as pessoas que não estavam na transação.

As investigações continuam em andamento, até que a Polícia Civil conclua a apuração das informações que possam aprofundar todo o esquema existente.

De acordo com o art.316 do Código Penal, o crime de concussão caracteriza-se quando o funcionário exige, para si ou para outro, vantagem indevida em razão do cargo que ocupa.

Sendo uma exigência que causa temor de represálias, em função do cargo exercido pelo funcionário público. A pena para o crime de concussão é de dois a 12 anos, além de multa.

Em nota, o vereador Marinaldo confirmou a operação e informou que “recebeu com surpresa o pedido de busca e apreensão de documentos, computadores e similares em sua residência e em seu escritório, com a finalidade de apurar suposta participação em furar a fila do SUS”.

“Temos a esclarecer que, ainda não tomamos total conhecimento acerca da diligência realizada pela polícia a pedido do Ministério Público, mas que tão breve estaremos tomando todas as medidas afim de elucidar os fatos arrolados no processo. No ensejo, ressaltamos que desde 2017 o vereador desenvolve ações sociais através de seu Escritório Político e que vê o momento como perseguição política, uma vez em que o mesmo é declaradamente candidato a Prefeitura em 2024 e se mantém como oposição desde o início de seu mandato em 2017, o que tem trazido incômodos aos seus adversários políticos”, diz o texto. (Roma News)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!