Marabá
25°C
Clear sky

UFPA investiga aluno por ejacular em trabalho de doutoranda

Com medo de sofrer algum tipo de violência, a estudante não quis se identificar. De acordo com uma testemunha, o fato aconteceu dentro do laboratório do Instituto de Ciências Biológicas
Foto: Divulgação

Na última quinta-feira (4), uma doutoranda da Universidade Federal do Pará (UFPA) denunciou que um dos estudantes ejaculou em seu trabalho de pesquisa, enquanto estava em um dos laboratórios da universidade. De acordo com a denunciante, o caso teria ocorrido na noite da quarta-feira (3), e descoberto na manhã do dia seguinte. A UFPA informou que está investigando a denúncia.

Com medo de sofrer algum tipo de violência, a estudante não quis se identificar. De acordo com uma testemunha, o fato aconteceu dentro do laboratório do Instituto de Ciências Biológicas da universidade, em Belém.

Ainda de acordo com informações, um aluno do curso de oceanografia é o suspeito, mas ainda não foi identificado.

A testemunha informou ainda que o estudante teria sido o último a deixar o laboratório antes dela e, no dia seguinte, quando a jovem chegou no local, encontrou o trabalho sujo de sêmen.

Segundo informações, o aluno é suspeito de praticar outros atos contra alunas do laboratório, e todos de cunho sexual.

Testemunhas ouvidas pelo UOL, contam que ele “já vinha importunando alunas, desenhou imagens de pênis em uma foto delas, levou imagens de pênis para o laboratório em uma cartolina, tudo escondido. Teve também um episódio em que uma aluna achou estar sozinha no laboratório trabalhando e ele estava lá, provavelmente escondido. Ela alegou estar sozinha, mas ele saiu logo depois dela nas imagens das câmeras”. Com isso, as alunas que frequentam o laboratório apresentaram o caso ao departamento de segurança da universidade e receberam como orientação que procurassem a Polícia Civil. “Na delegacia, o delegado disse que isso não configurava crime”, revelou a testemunha.

UFPA confirma denúncia

Em nota, a UFPA confirmou a ocorrência de uma denúncia de assédio a uma estudante da instituição e garantiu que já procedeu com a abertura de um Processo Administrativo Disciplinar para apurar os fatos e reforçou que repudia qualquer forma ou manifestação de violência em sua comunidade e que está prestando assistência às pessoas atingidas. (Com UOL)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!