Marabá
31°C
Overcast clouds

Tribunal mantém preso pastor acusado de estupro no sudeste do Pará

Foto: Divulgação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Foi realizada nesta segunda-feira, 5, uma Seção de Direito Penal que avaliou o pedido de liberdade do pastor Rodrigo Silva Fabri, sob a acusação de estupro de vulnerável cometido no município de Novo Repartimento, sudeste do Pará. Por sua vez, o pedido foi negado por unanimidade.

O religioso, que já havia pedido revogação de custódia em novembro passado, está preso no Centro de Recuperação Regional de Tucuruí. Segundo a defesa, o pedido foi por constrangimento ilegal e não existência de requisitos que justificasse a prisão preventiva e fundamentação idônea.

O acusado também pediu que fossem aplicadas as medidas cautelares diversas à prisão, uma vez que possui residência fixa e bons antecedentes, porém, o pedido foi negado.

Relembre o caso

O réu foi acusado de ter praticado atos libidinosos e tentativa de estupro de uma menor desde 2019, dentro de sua residência. Os crimes aconteciam em dias e horários diversos, de forma livre e voluntária.

A acusação foi baseada através de escuta especializada, depoimentos de testemunhas e laudo de exame sexológico.

Segundo a investigação, o acusado teria se aproveitado do fato de ser pastor na igreja em que a vítima frequentava para cometer os crimes. Os fatos foram descobertos pelos familiares após a vítima escrever um bilhete para a irmã em outubro de 2020, contando o ocorrido. No mesmo período, a polícia iniciou as investigações.

De acordo com a defesa, a mentora intelectual da denúncia seria a mãe da menor, que eles alegaram não ter sanidade mental suficiente para depor, e supostamente teria problemas pessoais com o religioso. (Roma News)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!