Marabá
33°C
Few clouds

Três dias: Pais de alunos protestam após supermercados recusarem vale alimentação no Pará

Crédito: Agência Pará
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Pais e responsáveis de alunos da rede pública de ensino protestaram pelo terceiro dia seguido, pedindo a solução dos problemas envolvendo o vale-alimentação, fornecido pelo governo do Pará.

De acordo com os pais, não é possível comprar alimentos pois os supermercados não estão aceitando o benefício. Durante a abertura de um supermercado na manhã desta quinta-feira (25) no bairro do Telégrafo, houve tumulto e aglomeração.

“Demorou dois meses para conseguirmos o cartão. Quando ele veio, passamos por muita confusão para receber. Agora que estamos com ele, passamos por uma humilhação maior ainda pra comprar R$ 80 de alimento”, lamenta Lana Ramos, autônoma, que tem um filho matriculado na rede pública.

Segundo os responsáveis de alunos, a notícia de que o mercado estaria recebendo o benefício fez com que centenas de pessoas se acumulassem na frente do estabelecimento antes mesmo da abertura.

Pais de alunos protestam após supermercados recusarem vale ...
Crédito: G1/Pará

Quando as portas abriram, os responsáveis foram informados de que o sistema do cartão que administra o benefício estava fora do ar e, portanto, as compras não poderiam ser realizadas.

Somente uma hora depois, as portas do supermercado foram abertas para os responsáveis. Na entrada do estabelecimento, houve tumulto e aglomeração. Agentes da Polícia Militar estiveram no local e organizaram a entrada.

Os vales são um auxílio do governo estadual a alunos no período de suspensão das aulas por causa da pandemia da Covid-19. O cartão equivale a R$ 80 e deve ser utilizado exclusivamente para a compra de alimentos ao aluno.

Segundo os beneficiários, o auxílio começou em maio. Uma das reclamações é que o cartão do mês de junho está prestes a vencer e ainda não conseguiram fazer compras.

Mais de 570 mil alunos têm direito ao benefício, que representa investimento do governo estadual de cerca de R$130 milhões até o final deste mês.

Em uma rede social, o governador Helder Barbalho (MDB) disse que tomou conhecimento que as empresas contratadas para fornecer o vale-alimentação estão se negando a oferecer o serviço e que está tendo um impasse do operador do cartão com os supermercados.

Por meio de nota, a Secretaria de Educação do Pará (Seduc) informou que a Auditoria Geral do Estado vai abrir procedimento administrativo de responsabilidade para apurar se as empresas contratadas estão cumprindo regularmente as obrigações contratuais.

G1/Pará

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!