A primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou nesta sexta-feira (24) que vai deixar o cargo em 7 de junho. A renúncia foi anunciada após a líder do Partido Conservador fracassar na condução do Brexit, processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

May, que vinha sofrendo uma forte pressão para deixar o cargo — inclusive dentro do seu próprio partido —, declarou ao discursar que fez o seu melhor ao tentar implementar o Brexit. Agora, os conservadores iniciarão um processo para escolher o novo líder do governo.

“Eu fiz tudo o que eu podia para convencer os parlamentares a apoiarem esse acordo [do Brexit]. Infelizmente, eu não fui capaz de fazer isso. Eu tentei três vezes. Então, hoje eu anuncio que estou deixando a liderança do Partido Conservador e o governo na sexta-feira, 7 de junho. Então, um sucessor pode ser escolhido”, disse May.

A primeira-ministra britânica, que tem 62 anos e está há quase três anos no poder, afirmou que decidiu deixar o cargo após o terceiro fracasso em aprovar no Parlamento Britânico o acordo costurado por ela com a União Europeia sobre o Brexit.

“Sempre será motivo de profundo pesar para mim que eu não tenha sido capaz de entregar o Brexit”, afirmou a premiê, que ficou com a voz embargada e chegou a chorar no fim do seu pronunciamento.

“Eu, em breve, vou deixar a função que foi a honra da minha vida: a segunda primeira-ministra mulher —mas certamente não a última. Eu fiz isso sem ser obrigada, mas com uma gratidão enorme e duradoura em ter tido a oportunidade de servir o país que eu amo.”
Agora, o favorito para ocupar o cargo é o ex-ministro de Relações Exteriores e ex-prefeito de Londres, Boris Johnson, que liderou a campanha em defesa do Brexit. Johnson já admitiu ter a pretensão de assumir a liderança. Outros quatro políticos estão entre os que têm mais chances de ocuparem o cargo.
O processo de sucessão deve começar em 10 de junho. A oposição pede eleições gerais. O processo de escolha do novo líder deve ser concluído até o fim de junho, antes da folga de verão do Parlamento, que tradicionalmente ocorre em julho.

May tinha prometido deixar cargo

May já tinha prometido que deixaria o governo assim que seu acordo com a UE fosse aprovado. No início da semana, ela apresentou sua última proposta a ser submetida aos deputados britânicos. O texto abria possibilidade de convocação de um segundo referendo caso o acordo fosse aprovado.

A proposta foi um fracasso e motivou, na quarta-feira (22), a renúncia de outra figura importante no Partido Conservador, a líder do governo na Câmara dos Comuns, Andrea Leadson — contrária à ideia de um novo referendo.

Do poder à renúncia

A líder conservadora assumiu o governo nas semanas posteriores ao referendo de 2016, que decidiu pelo Brexit. O resultado tinha levado à renúncia do também conservador David Cameron, de quem May foi ministra do Interior por seis anos.

Apesar de ser considerada cética sobre a União Europeia, ela havia defendido a permanência do Reino Unido no bloco. No entanto, May teve pouco envolvimento na campanha do referendo e insistiu na necessidade de limitar a imigração — pauta dos defensores do Brexit.

Um ano após assumir o gabinete de governo, a primeira-ministra convocou eleições legislativas para fortalecer sua posição, mas acabou perdendo a maioria absoluta. Desde então, aumentaram os ataques contra ela dos eurocéticos e pró-europeus de seu próprio partido.

Diversos ministros abandonaram May, descontentes com a ideia dela de negociar um relacionamento próximo com a União Europeia. Um deles foi o próprio Boris Johnson, que deixou o comando da diplomacia britânica em julho do ano passado. O apoio à gestão May só diminuiu de lá para cá.

Eleições para o Parlamento Europeu

O anúncio da renúncia de May ocorre um dia após o início das eleições para o Parlamento Europeu. O Reino Unido não queria participar do pleito, em que surge como favorito o Partido do Brexit, do polêmico ultranacionalista Nigel Farage. Ele foi um dos responsáveis pela vitória do Brexit no referendo de 2016.

Os resultados serão conhecidos somente no domingo (26), quando termina a votação em todos os 28 países do bloco.

O Reino Unido conseguiu adiar a sua saída da União Europeia para o dia 31 de outubro, após solicitar um segundo adiamento do prazo. Inicialmente, a data estava estabelecida para 29 de março deste ano.

G1