O episódio pode ocorrer nos próximos dez anos de atividade solar à medida que o Sol se aproxima de seu período “mais fraco” em 200 anos, com isso a Terra poderá ser atingida por explosões de 1.500.000 °C.

As erupções solares são explosões de radiação que emanam do Sol e podem durar minutos ou horas. Essas explosões são causadas por manchas solares, regiões frias e escuras formadas na superfície do Sol devido ao campo magnético.

A atividade do Sol envolve dois ciclos, um ciclo de 11 anos e mínimos solares e outro de máximos solares, conforme cita o tabloide Daily Star.

Durante os mínimos solares, a atividade do Sol cai e tanto as manchas solares quanto as erupções são menos frequentes, enquanto que ao atingir seu ponto máximo, diversas manchas solares podem liberar jatos de energia na Terra.

De acordo com a Nasa, o próximo ciclo deve começar em 2020, seguido de um máximo solar no ano de 2025.

O chefe do escritório de meteorologia da Agência Espacial Europeia, Juha-Pekka Luntama, ressaltou que ninguém tentou fazer uma estimativa dos custos adicionais, sendo que uma grande erupção solar afetará o mundo inteiro.

“Nosso Sol poderia ser agradável e tranquilo, mas na verdade não é”, afirma o Juha-Pekka Luntama, ressaltando que quando os prótons e elétrons ejetados pelo Sol atingem os satélites, eles podem causar danos ou até mesmo destruir os eletrônicos do satélite, como redes de energia, podendo ameaçar até mesmo as missões lunares.

Jornal do Brasil