Marabá
30°C
Clear sky

Sindecomar sinaliza possibilidade de greve de funcionários do Grupo Mateus

Com oito lojas em Marabá, empresa estaria se utilizando do artifício de seguir a convenção coletiva para deixar de pagar vários benefícios a seus comerciários
Foto: Arquivo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

O Sindicato dos Empregados no Comércio do Município de Marabá e Sul e Sudeste do Pará (Sindecomar) convocou uma assembleia geral, para o dia 16/8/2021 (segunda-feira), às 16h, na Rua 7  de Junho, 961, bairro Velha Marabá, com o objetivo de discutir com os comerciários a instalação do movimento grevista no Grupo de Supermercados Mateus em Marabá, pois a empresa estaria se utilizando da convenção coletiva para deixar de pagar vários benefícios aos trabalhadores.

O Sindecomar acusa o Grupo Mateus de não repassar o aumento salarial de 7,59% a seus funcionários na data base prevista em lei trabalhista. A empresa não estaria pagando a hora extra nos feriados e a jornada de trabalho está sendo feita através de banco de horas, prejudicando o trabalhador.

O Grupo Mateus é acusado pelos funcionários de não assinar o acordo individual para se beneficiar da exploração do trabalho de seus comerciários. Ao contrário de lojas como a Havan, Distribuidora Tocantins, por exemplo, o Mateus não dá a folga no dia do aniversário dos funcionários porque não quis fazer o acordo individual e estaria dando sinais que vai deixar de pagar a cesta básica.

Segundo o presidente do Sindecomar, Márcio Alves, a cesta básica do Grupo Mateus, destinado ao trabalhador, se encontra sem aumento há 4 anos, pagando apenas R$ 125 reais, sendo considerada como vergonhosa. As outras empresas maiores pagam de 260 a 416 reais a cesta básica para seu trabalhador. O Mateus estaria devendo ainda aos comerciários o retroativo salarial relativo ao ano de 2020.

Na contramão, faturando alto às custa do suor de seus funcionários, somente em Marabá, o Grupo Mateus possui 8 lojas e estaria abrindo dezenas de outras unidades comerciais no Estado do Pará, segundo o Sindicato. O Sindecomar acusa a empresa de se recusar a dialogar com a entidade sindical na busca de uma solução para se resolver o problema.

Diretores “Val”, Márcio Alves e Luciana estão de olho no Grupo Mateus em Marabá – Crédito: WhatsApp

JUDICIALIZAÇÃO

O Portal Debate Carajás conversou com o advogado do Sindecomar, Dr Rodrigo Botelho, sobre a possibilidade da entidade trabalhista entrar com ações na Justiça para garantir o direito dos comerciários do Grupo Mateus, pois existem diversas denúncias de irregularidades trabalhistas em relação a empresa porque ela se recusa a aceitar o acordo individual.

O causídico afirmou que irá aguardar o posicionamento dos trabalhadores a respeito de cada ponto de pauta a ser debatido na assembleia geral, no dia 16/8/21, caso a empresa continue irredutível, haverá possibilidade de deflagração do estado de greve e, caso o Mateus continue desrespeitando o direito dos comerciários, existem chances do Sindecomar entrar com ações na Justiça do Trabalho de Marabá contra o Grupo Mateus.

A Reportagem encontrou em contato com a gerência local do Mateus, listou os pontos de pauta do Sindecomar e pediu um posicionamento da empresa, porém obteve apenas a conhecida resposta protocolar, através de uma funcionária: “Eu vou passar o caso para a gerência e depois darei o retorno”.

O presidente Márcio Alves afirmou que existe uma grande chance de haver um movimento de greve deflagrado pelos comerciários do Grupo Mateus, nos próximos dias, em Marabá. (Pedro Souza/Portal Debate Carajás)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!