Marabá
25°C
Few clouds

Serial killer dribla polícia e espalha pânico no Distrito Federal

Lázaro é procurado por uma série de crimes, incluindo a morte de uma família na última semana
Moradores relatam medo, angústia e apreensão | Foto: Divulgação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Durante as buscas por Lázaro Barbosa Sousa, de 33 anos, autor de uma série de crimes no Distrito Federal e em Goiás ao longo da última semana, policiais encontraram na casa onde o assassino em série morava, em Cocalzinho, objetos de cunho religioso, que não possuem necessariamente nenhuma ligação com os crimes.

Segundo as autoridades de segurança pública que compõem a força-tarefa formada para localizar e prender Lázaro, não é possível afirmar que as mortes são parte de um ritual religioso. Durante entrevista na noite da última terça-feira (15), o secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, esclareceu que a investigação não podia indicar se os crimes de Lázaro podem ser associados a rituais “macabros”.

“O que comparamos é o modus operandi do indivíduo, em relação aos outros casos. Capturar e levar pra beira de um rio. Por isso, nossas equipes centraram buscas nas margens do rio próximo a casa e acabaram por salvar a vida da família”, disse, referindo-se ao casal e à adolescente resgatados após serem feitos reféns pelo criminoso.

Miranda, que tem acompanhado as buscas, afirmou que considera Lázaro um “psicopata”.

“Estamos com oito vítimas confirmadas, cinco delas fatais e em situações que levam qualquer um a ficar preocupado. Todas as propriedades que ainda têm pessoas que precisam ficar lá nós colocamos viaturas próximas, estamos dando todo o amparo para a população até a retirada desse sujeito aqui da região. E não vamos sair daqui até desentocá-lo e apresentá-lo para a Justiça ”

A presença de Lázaro na região despertou uma onda de medo entre moradores e lojistas.

“O pessoal está com medo, está ficando mais quieto. Tem mulher sem dormir, o pessoal de fazenda deixou suas chácaras. É uma tensão bem grande”, disse o comerciante Eduardo Ferreira, de 41 anos. “A torcida é para a polícia pegar logo, que finalize esse trabalho com êxito. Enquanto não pegar, acho que não volta à vida normal, não.”

Além das cinco mortes no Distrito Federal, Lázaro responde por outros dois assassinatos na Bahia. A força-tarefa montada pelas secretarias de Segurança Pública de Goiás e do DF para prendê-lo tem base em Cocalzinho. O grupo conta com policiais da Polícia Militar (PMDF), da Polícia Rodoviária Federal (PRF), da Polícia Federal (PF) e da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). O grupo conta com o reforço da cavalaria. (Com iG)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!