A Câmara Municipal de Marabá receberá, durante a Sessão Ordinária de hoje (4), a partir de 9 horas, a advogada e professora, Wilma Lemos, mãe de Dayse Dyana Sousa e Silva, 35 anos, assassinada no dia 31/3/2019, pelo acusado Diógenes Samaritano, 37 anos, marido da vítima, na casa onde moravam, no bairro Parque dos Carajás, na cidade de Parauapebas, no Pará. Wilma Lemos usará a Tribuna da CMM para relatar as informações sobre o andamento do processo, cobrar punição rigorosa para o acusado e comemorar o aniversário da filha Dayse Dyana..

Samaritano continua preso na carceram do Sistema Penal no Pará

A família e amigos estão acompanhando a apuração do caso “de perto” e com muita apreensão, devido ao acusado, Samaritano, está sendo defendido por uma equipe de advogados bastante conceituada na defesa desse tipo de crime no Pará. “Estamos atentos ao uso de qualquer manobra jurídica, pela defesa, para soltar esse monstro. Ele precisa pagar pela covardia que fez, indo a júri popular”, relatou uma parente de Dayse Dyana.

A mãe, Wilma Lemos, ladeada pelas filhas Dayse e Stephannye em momento de descontração.

No evento, a vítima será homenageada, pois Dayse Dyana completaria 36 anos de idade, no dia 8/6/2019. Através da #JustiçaPorDayse, a Família Lemos faz uma campanha nas redes sociais, convidando as pessoas para participarem do evento na Câmara Municipal. De acordo com familiares, após a colocação do caso “em segredo de justiça”, passou a existir uma dificuldade enorme para se ter acesso aos autos do processo criminal. Procedimento jurídico não muito comum em casos de feminicído. A sociedade paraense “está de olho” no desenrolar desse caso, na justiça de Parauapebas.

Polícia acusa Samaritano de ter jogado Dayse Dyana da sacada da casa onde moravam.