Marabá
31°C
Clear sky

“Punho de Aço” prende assassinos de mototaxista no Pará

Elieldo Castro Rego foi visto pela última vez em um bar no bairro Amparo no domingo (3) — Foto: Arquivo pessoal
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

A Polícia Civil do Pará, por meio da Superintendência Regional do Baixo Amazonas, do Núcleo de Inteligência e da Delegacia de Homicídios de Santarém, oeste do Pará, deflagrou, nesta quinta-feira (18), a Operação Punho de Aço, realizada de maneira simultânea nas cidades de Santarém, no Pará; e Goiânia, em Goiás.

A vítima, Elieldo Castro Rego, 23 anos, desapareceu no bairro Amparo no último dia 3 de janeiro, e o corpo dele foi encontrado em uma área de mata nas imediações do ramal da comunidade Ponta de Pedras somente no dia 15. Ele trabalhava como mototaxista.

Foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão domiciliar e três mandados de prisão temporária, deferidos pelo Juízo da 3 ͣ Vara Criminal da Comarca de Santarém. Entre os crimes cometidos pelos acusados então homicídio qualificado, sequestro, ocultação de cadáver e associação criminosa.

Um dos suspeitos foi preso em Goiania — Foto: Redes Sociais
Um dos suspeitos foi preso em Goiânia — Foto: Redes Sociais

Dois dos investigados foram presos em Santarém, enquanto o terceiro preso, que mudou do Pará, após o início das diligências, foi localizado na cidade de Goiânia (GO), em poder de duas armas de fogo registradas no nome dele e expressiva quantidade de munição de calibres diversos.

O acusado Ronildo Arruda Silva, o “Roninho”, estava em sua casa, no bairro Área Verde, e Weverton Nonato Floriano, preso em residência no bairro da Prainha. Já o terceiro suspeito, Tiago Viana Feitosa foi preso na cidade de Goiânia (GO) por uma equipe da Força Nacional.

Durante as buscas domiciliares, além do aparelho celular dos investigados, foram localizadas duas ferramentas possivelmente utilizadas para a execução do crime de ocultação de cadáver, sendo uma pá e uma draga.

Em razão do caráter hediondo do crime em apuração, as prisões foram deferidas pelo prazo de 30 dias, período em que serão concluídas as investigações, com a completa elucidação dos fatos, circunstâncias e motivação dos delitos.

A ação contou com apoio de policiais civis mobilizados da Força Nacional de Segurança Pública (DFNSP) e da Gerência de Operações de Inteligência GOI/PCGO. (Portal Debate Carajás, com Agência Pará e G1 Santarém)

“Punho de Aço” prende bando nos estados do Pará e Goiás

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!