Pesquisar
Close this search box.

Projeto combate evasão escolar na pandemia em Marabá

Membros do projeto “Territórios em Rede” durante entrega de panfletos no comitê do Bolsa Família | Foto: Divulgação/Secom PMM

No Bairro da Paz, Núcleo Cidade Nova, o adolescente Gabriel Sousa Lima, de 14 anos, estudante do 8º ano do ensino fundamental da escola Paulo Freire, participa de um projeto que está mudando a maneira dele aprender e a ter mais interesse pelos estudos. É o projeto “Territórios em Rede”, uma parceria entre Secretaria Municipal de Educação (Semed), Fundação Vale e Cidade Escola Aprendiz, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) que contribui para o desenvolvimento das pessoas meio de políticas públicas voltadas à educação.

Como o projeto trabalha com novas metodologias de aperfeiçoamento do conhecimento do aluno, Gabriel ganhou um aliado a mais no processo de aprendizagem. “Eu estava muito desanimado devido à pandemia, tinha dias que não ia pegar minhas tarefas na escola, mas hoje com as pessoas do projeto isso tem mudado. Eles ligaram para minha madrinha e falaram desse projeto e eu gostei muito, eu dou uma nota mil para eles”, disse o jovem Gabriel Lima.

Aluno Gabriel Lima

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) tem reunido dados sobre a situação educacional na pandemia. Em outubro de 2020, o percentual de estudantes de 6 a 17 anos que não frequentavam a escola (ensino presencial e/ou remoto) foi de 3,8% (1.380.891) – superior à média nacional de 2019, que foi de 2%, segundo a Pnad Contínua. Em Marabá, o projeto atua com o objetivo de mitigar os impactos da evasão escolar, principalmente no cenário de pandemia, como afirma a diretora-executiva da Fundação Vale, Pâmella D’Cnop.

“A questão da evasão escolar se tornou ainda mais desafiadora em 2020. Um ano de medidas de distanciamento social e a suspensão das aulas presenciais. Nesse contexto, a Fundação Vale trouxe para Marabá o Territórios em Rede. Um projeto piloto que tem como objetivo identificar e, a partir do diagnóstico, enfrentar as causas da exclusão escolar. Tudo isso através de parcerias que envolvem o poder público e setores não governamentais. Com o projeto Territórios em Rede, nós esperamos contribuir para que jovens e crianças de Marabá, em idade escolar, exerçam seu direito a uma educação pública e de qualidade”, pontua.

Pâmella D’Cnop, diretora executiva da Fundação Vale

Outra proposta do Territórios em Rede é a realização de ações na área de assistência social, saúde, desenvolvimento territorial e proteção à infância, crianças e adolescentes entre 4 a 17 anos, que estejam fora da escola ou em risco de evasão escolar. Ana Karla Galindo, coordenadora do projeto no município, analisa que durante a pandemia cresceu o número de crianças e adolescentes fora da escola por diversas situações e o trabalho dos articuladores é acompanhar esse aluno para garantir a educação, um direito fundamental.

“Percebemos alunos fora da escola então entramos em cena para que a criança volte para a escola, criamos estratégias e identificamos cada situação, dificuldade e demanda dessa família e a encaminhamos para a Rede, possibilitando que essa família entenda que educação é direito da criança e adolescente e estamos em visitas domiciliares e instituições parceiras que podem ajudar essas famílias”, explica Ana Karla.

Ana Karla, coordenadora do projeto

A parceria com a Semed é realizada por meio do apoio pedagógico, quando necessário, e acesso às informações de alunos para o acompanhamento. Além disso, é dado todo apoio necessário na execução dos trabalhos, conforme esclarece Fábio Rogério, diretor de Ensino Urbano da Secretaria Municipal de Educação.

“Esse projeto fortalece ações da educação e outros setores e o foco é a criança em situação de vulnerabilidade. É uma estratégia para alcançar a criança, para acompanhá-lo em várias ações do projeto, e inclui também um diálogo com as famílias. O principal objetivo é trazer a criança para a escola e fazer o monitoramento da frequência dos alunos, pois a gestão da escola trabalha diretamente com os articuladores. É uma parceria importante neste momento de pandemia que passamos”, esclarece.

As famílias reconhecem o quanto o projeto tem incentivado os estudantes. A tia do Gabriel, Adriana Almeida de Sousa, disse que a iniciativa foi positiva, pois muitas crianças estão na rua e o projeto ajuda as famílias no acompanhamento das crianças com as tarefas da escola.

“Eu sou uma tia insistente e pedia ao Gabriel para ir buscar as tarefas, e um dia bateram no portão e me falaram do projeto e a intenção deles de acompanhar os alunos, tirar das ruas e fazer outras atividades, e de lá para cá o Gabriel faz todas as atividades dentro do cronograma, eles ligam toda semana para saber como está o estudo do Gabriel”, relata. (Secom PMM)

Relacionados

Postagens Relacionadas

Nenhum encontrado

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!