Marabá
31°C
Overcast clouds

Professor intercede nas redes por esposa internada com covid-19

Professor movimentou as redes sociais da educação nesta manhã. Esposa dele precisa de regulação para o Hospital Regional, mas falta leito | Foto: Reprodução/WhatsApp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Por meio de vídeo publicado na manhã desta quinta-feira (1º), o professor Pedro Chaves movimentou as redes sociais da educação com a campanha “Marabá precisa respirar”, que pede a reabertura do hospital de retaguarda e a ampliação de leitos de UTI exclusivos para o tratamento da covid-19 pelo governo do estado.

A esposa do educador, Zilma Chaves, está internada no Hospital Municipal de Marabá há uma semana. O estado clínico delicado da mulher exige regulação para o Hospital Regional do Sudeste do Pará, o que ainda não aconteceu devido à insuficiência de leitos de UTI-covid na unidade de referência.

O hospital de campanha que funcionou no Carajás Centro de Convenções e Eventos durante sete meses, de abril a novembro passados, possuía 120 leitos exclusivos para covid-19, sendo 75 de enfermaria e 45 de UTI. Com o término das atividades, passou a retaguarda ao Hospital Regional.

Agora, diante da segunda onda da doença e com o advento da variante amazônica, ainda mais letal e transmissível, o sistema público de saúde de Marabá se aproxima do estrangulamento com 98% de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ou Unidade de Cuidados Especiais (UCE), no caso do Hospital Municipal.

Isto é, dos 57 leitos de UTI-covid disponíveis no município, 56 estão ocupados. Destes, 23 pacientes são de outras cidades e 33 de Marabá. Por esse motivo, o clamor neste momento delicado é pela reabertura do hospital de campanha, o que, se depender unicamente do bom senso do governo Helder, tardará a acontecer. Esta é a avaliação que faz o professor Pedro Chaves. (Vinícius Soares/Debate Carajás)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!