Marabá
31°C
Clear sky

Primeira idosa vacinada em Marabá tem 103 anos

Neste registro histórico, dona Bernarda recebendo vacina contra a covid-19 no conforto do lar | Foto: Divulgação/Prefeitura de Marabá
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Bernarda Marques da Silva, de 103 anos, foi a primeira idosa a ser vacinada em Marabá na tarde desta importante quarta-feira, dia 10 de fevereiro. Como adiantado por este Portal Debate Carajás mais cedo, ela recebeu uma dose da CoronaVac (imunizante do Instituto Butantan) em casa mesmo, para evitar contaminação pela covid-19.

O início da vacinação domiciliar de idosos em Marabá começou às 14h30, com doses mobilizadas para o Posto de Saúde Demosthenes Ayres Azevedo, no Bairro Francisco Coelho, Núcleo Pioneiro. Serão comtemplados apenas os idosos acima de 90 anos nesta fase.

Nesta terça-feira (8), a promotora de Justiça de Defesa dos Direitos das Pessoas Idosas, Lílian Viana Freire, recomendou à Prefeitura de Marabá agilidade na imunização da parcela. Na ocasião, inclusive, ela deu 24 horas para o município apresentar informações sobre o plano de vacinação adotado.

Marabá, como informado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), está seguindo o plano de imunização desenvolvido pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). Desde a última semana, idosos acima de 85 anos estão sendo vacinados em Belém, Ananindeua e Santarém. Marabá, por seu turno, não saía da primeira fase, com a vacinação apenas de trabalhadores dos serviços de saúde que atuam em espaços e estabelecimentos de assistência e vigilância em saúde, idosos com mais de 60 anos que vivem em instituições de longa permanência e indígenas aldeados.

A visita das equipes de vacinação às residências dos idosos é observada como um gesto humanitário por parte da Prefeitura de Marabá. Caso a família possua alguma pessoa nesta faixa etária, saiba que a vacinação será feita em domicílio, seguindo o cadastro da unidade de saúde mais próxima da residência do idoso (no caso da primeira vacinada, o posto mais próximo era o Demosthenes Azevedo).

De acordo com a SMS, caso não exista cadastro, um familiar deverá comparecer a alguma UBS com os documentos pessoais da pessoa a ser vacinada. A medida é necessária para manter o controle da imunização no município. (Portal Debate Carajás)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!