Dezenas
de lixeiras estão sendo colocadas nas principais avenidas da cidade de
Marabá, sudeste do Pará, com a finalidade de acondicionar melhor o resíduo sólido
produzido pelas residências, bares, restaurantes, comércio, entre outros. Os
novos locais para se colocar o lixo diário já foram instalados na Avenida
Tocantins, bairro Novo Horizonte, Avenida Boa esperança, Laranjeiras, e Avenida
Paraíso, no bairro Liberdade. Elas estão deixando esses logradouros públicos
mais limpos e organizados.
 
As
lixeiras estão sendo dispostas, no canteiro central, através do Departamento de
Postura
e da Secretaria de Saneamento Ambiental, tendo como finalidade, evitar o
despejo irregular de lixo “no meio da rua”. Segundo Túlio Rosemiro, Coordenador
da Postura, o “lixo produzido pelo comércio” é o “principal poluidor” das vias públicas
de Marabá. A primeira etapa do projeto consistirá na colocação das lixeiras, orientação dos comerciantes e moradores. Após o período de conscientização, haverá
fiscalização e “multa pesada” para quem for flagrado descartando lixo em locais e
horários irregulares.
 
Vandalismo
A fixação
das lixeiras, pelas ruas de Marabá, ainda nem chegou ao final, mas já existem
algumas pichadas e depredadas. Quem faz uma cidade limpa e agradável é o seu
próprio povo. A população possui o dever de colaborar, moradores e comerciantes
conscientes que colocam seu lixo no local adequado e designado, estarão contribuindo
para a construção de uma cidade mais organizada e melhor para se viver.
 
Lugar de lixo é na lixeira
Uma
rápida fiscalização da Postura, ontem (3),  flagrou vários comerciantes, localizados ao
longo das três avenidas, jogando seu lixo, “no chão”, ao lado da lixeira. Uma
estupidez e falta de senso de cidadania sem tamanho. O lixo orgânico, hoje em
dia, tornou-se um dos maiores problemas para os centros urbanos do Brasil. O
povo que não colabora, prejudica as futuras gerações. Uma cidade sustentável,
limpa, e uma relação equilibrada entre o homem e meio ambiente são essenciais para
se viver com mais dignidade.

(Pedro Souza)

Reprodução autorizada desde que a fonte “Site Debate Carajás” seja citada.