Prefeito de Itaituba explica construção de ponte alvo de investigação do MPF

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Uma reportagem especial do Fantástico, da Rede Globo, que foi ao ar no último domingo (25), motivou o Ministério Público Federal (MPF) a abrir uma investigação inicial e apurar a construção de uma ponte sobre o rio do Jamanxim, no sudoeste paraense. A reportagem denuncia que a ponte seria usada para escoar madeira extraída de forma ilegal da área de proteção ambiental da Floresta Nacional do Jamanxim

O prefeito de Itaituba (PA), Valmir Climaco de Aguiar (MDB), esclareceu que a ponte, conhecida como “Ponte do Jardim do Ouro”, está sendo construída a, aproximadamente, 50 km de distância da área protegida da floresta nacional e que, quando concluída, terá 342 metros de comprimento e vai ligar o município de Itaituba à Comunidade de Moraes de Almeida, no distrito de Crepurizão, uma região de garimpo que abriga cerca de 30 mil habitantes.

O prefeito de Itaituba rebateu as denúncias apontadas na reportagem especial do Fantástico, que foi ao ar no último domingo (25) Reprodução

Valmir Climaco afirma também que a obra, orçada em R$ 2 milhões, é custeada pela própria comunidade do distrito de Crepurizão e que a Prefeitura de Itaituba licenciou a obra devido à importância para a população do local. 

Quando concluída, a ponte vai ligar o município de Itaituba a Comunidade de Moraes de Almeida, no distrito de Crepurizão | Divulgação/Prefeitura de Itaituba

O prefeito disse que foi procurado pela comunidade de Crepurizão, que não estava satisfeita em pagar preços abusivos nos transportes diários das balsas (entre R$100 a R$ 300) e que por ser um rico distrito isolado do município e com muito potencial para ser explorado, a ponte se tornaria uma necessidade econômica. A ponte, que atravessa o Rio Jamanxim, está prevista para ser concluída em dezembro de 2019.

DOL

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!