Marabá
26°C
Scattered clouds

Preço do petróleo sobe 41% em 2021 e atinge recorde em 2 anos

Em 2020, a cotação do petróleo Brent caiu 21,5% com a pandemia
O preço do petróleo Brent caiu 21,5% em 2020
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Os contratos futuros do petróleo Brent (referência do Mar do Norte, na costa do Reino Unido) fecharam na 4ª feira (16.jun.2021) em US$ 74,39 por barril. É o valor mais alto desde 24 de abril de 2019 (US$ 74,57), segundo a tabulação do Investing.

Na 6ª feira (18.jun.2021), o preço do petróleo baixou para US 73,19. A queda frente a 4ª feira foi depois do anúncio do FED (Federal Reserve System), o equivalente ao Banco Central brasileiro, sobre o aumento da taxa de juros em 2023, antes do esperado pelo mercado financeiro.

A expectativa frustrada foi um dos motivos que elevou a cotação do dólar, pressionando o preço de petróleo a cair. Depois de ter caído 21,5% em 2020, o preço cresceu 41,3% em 2021 até a 6ª feira. A alta reflete a retomada econômica pós-vacinação.

André Braz, economista e coordenador do núcleo de preços ao consumidor da FGV (Fundação Getúlio Vargas), afirma que a alta do valor do petróleo é efeito do aquecimento da economia com o fim dos isolamentos e com os estímulos econômicos.

É a lei da oferta e da procura. Você tem uma demanda maior, desse mundo que busca a retomada, principalmente no mundo mais avançado na vacinação“, diz Braz.

O preço do petróleo despencou em março e em abril. E voltou a se recuperar no 2º semestre. A partir do começo da vacinação nos Estados Unidos, União Europeia, Rússia e Reino Unido, o petróleo começou a retomar o patamar pré-pandemia.

Com a volta à normalidade e incentivos fiscais, a atividade econômica aumentou, puxando o preço das commodities para cima –assim como o do petróleo.

Braz afirma que os valores devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses.”Se a tendência das economias é aquecer, esse aquecimento dura algum período“, diz.

Todo país que prevê um crescimento do PIB, como nós [Brasil] prevemos, está sujeito a um aumento de custo dessas matérias-primas e isso pode trazer mais inflação“, afirma.

Preços da Petrobras acompanham movimento

A política de preços da estatal está atrelada aos mercados internacionais. Em 2020, o preço médio da gasolina nas refinarias caiu 4,2% e o do diesel 13,7%. Em 2021, já subiu 37,5% e 34,2%, respectivamente, até 6ª feira (18.jun.2021).

A Petrobras procura fazer reajustes nos preços quando o movimento do mercado internacional aparenta ser temporário. “Quando ela percebe que é uma alta que não vai se sustentar, ela descarta aquele movimento. Tudo para diminuir a volatilidade da inflação brasileira“, afirma Braz,

Nos 12 meses até maio de 2021, os preços dos combustíveis no Brasil cresceram  47,49%, segundo o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Eis a íntegra (355 KB).

“O combustível tem um peso enorme aqui no Brasil“, afirma Braz. Os combustíveis comprometem o custo de vida das famílias e o custo de produção das indústrias, comércio e serviços.

A média nacional do barril de gasolina custa US$ 178,35, segundo dado da Global Petrol Prices de 2ª feira (14.jun.2021). O valor coloca o Brasil na 89ª posição no ranking de países com o combustível mais caro.

A média nacional do diesel vale US$ 141,15 e coloca o país na 114ª posição.

Eis os números da China, Rússia e Estados Unidos:

país preço gasolina posição gasolina preço diesel posição diesel
China 184,24 82ª 162,46 79ª
Brasil 178,35 89ª 141,15 114ª
EUA 143,77 129ª 135,07 120ª
Rússia 108,85 142ª 107,30 138ª
Fonte: Global Petrol Prices
Fonte: Poder 360

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!