O paraense, Moisés Ramos Cordeiro, 34 anos, inventou o absorvente íntimo masculino pensando na praticidade de não ter a roupa com cheiro de urina. Cordeiro disse que o absorvente é similar ao feminino (tipo O.B.), só que mais fino (3 cm de comprimento e 2 cm de espessura). Seria feito de algodão, esponja, lencinho umedecido e plástico.

O produto não serve para quem fez cirurgia de fimose, também chamada de circuncisão ou postectomia. Para Moisés, a patente valeria cerca de US$ 10 milhões (cerca de R$ 38,3 milhões). Produzido em larga escala, o absorvente íntimo masculino poderia ser vendido, segundo seus cálculos, por R$ 3 (pacote com 30 unidades).

O Liberal