Marabá
26°C
Scattered clouds

Pai faz parto do filho em casa: ‘Só tinha visto em filme’

Nascimento do bebê estava previsto para o início do mês de junho, mas o menino chegou antes do esperado
Wellington Martins, de 23 anos, fez o parto do próprio filho em casa, em Pontalina, no sul de Goiás | Foto: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Na última sexta-feira (21), um homem, Wellington Martins, de 23 anos, fez o parto do próprio filho em casa, em Pontalina, no sul de Goiás. O nascimento do pequeno Noah estava previsto para o início do mês de junho, mas o bebê chegou antes do esperado, com 38 semanas de gestação.

A mãe Anna Larissa, de 25 anos, conta que começou a sentir contrações por volta de 6h, mas que eram leves e não achou que tinha necessidade de ir ao hospital. Ela relata que por volta de 8h a dor aumentou e precisou pedir ajuda.

“Passou um filme na minha mente. Senti a cabeça do meu filho e falei para o meu marido segurar, ele estava desesperado, mas puxou bem devagar e, quando vimos, o Noah estava em cima da cama”, diz a mãe.

“Eu fiquei apavorado, só tinha visto aquilo em filme, com ou sem experiência, eu tinha que fazer alguma coisa, ela estava sentindo muita dor. Foi muito emocionante e rápido”, conta o pai. Wellignton explica que o momento em que viu que o filho tinha nascido, não conteve a emoção. “Olhei para ele, peguei na mão dela e senti muita emoção, quando coloquei ele na cama e ele chorou, comecei a querer a chorar também”, pontua.

Poucos minutos depois do bebê nascer, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou e a técnica em enfermagem Ilma Caetano prestou os primeiros-socorros. O condutor da viatura, Luiz Fernando, solicitou ajuda da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), uma médica e uma enfermeira foram à casa dar o suporte necessário. Em seguida, mãe e filho foram encaminhados ao Hospital Municipal para finalizar o atendimento.

“Chegamos lá e nos deparamos com o bebê já nascendo, se o pai não tivesse iniciado o parto, teriam muitos riscos para a mãe e o menino”, diz Ilma. A socorrista comemora o nascimento do bebê e revela um detalhe que marcou mais ainda a ocorrência: ela e o condutor foram chamados para serem padrinhos do bebê. “Tem um bom tempo que estou na área da saúde, já tinha visto vários partos, mas esse foi especial. Foi maravilhoso e marcou minha trajetória”, finaliza Ilma. (Com G1)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!