Marabá
23°C
Clear sky

Mulher que espalhou fake news de caixões vazios se entrega à polícia: ‘muito abalada’

Foto: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Valdete Zanco, a mulher que espalhou a notícia falsa pelas redes sociais sobre caixões que estariam sendo esterrados somente com pedras e madeiras e não com vítimas de Covid-19 se apresentou à Polícia Civil na última terça-feira (5).

Se dizendo “abalada” pelo vídeo ridículo que fez e crimes que cometeu, ela se entregou na delegacia da Polícia Civil de Jacutinga, a cerca de 400 km de Belo Horizonte, acompanhada de um advogado, e pediu desculpas. 

No vídeo, em tom de deboche, a mulher diz que Belo Horizonte está “infestado de coronavírus” e que caixões foram enterrados com pedras e madeiras. 

“Aqui em Minas está acontecendo um caso muito engraçado. Principalmente em BH. Você sabe quem é o prefeito de BH, né? Estão enterrando um monte de gente com coronavírus em BH. A própria família está enterrando, para não ter aglomeração. Mandaram ir lá e arrancar todos os caixão (sic) para poder fazer o exame para ver se é coronavírus mesmo. E sabe o que tem dentro dos caixão (sic)? Pedra e madeira. Palhaçada não é não?”, afirma no vídeo sem o menor discernimento e respeito às vítimas.

Mais cedo, em entrevista coletiva, delegados da Polícia Civil de Minas Gerais disseram que ela poderá responder por três crimes e ser condenada a até nove anos de prisão.

De acordo com o delegado Wagner Sales, a autora do vídeo, poderá ser condenada pelos crimes de denunciação caluniosa, difamação contra o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), que é citado na filmagem, e pela contravenção penal de propagação de pânico.

Além de prisão, a Justiça pode determinar o pagamento de multa, com valor a ser determinado pelo juiz.

Diário do Pará

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!