Marabá
23°C
Scattered clouds

Motorista preso com carro restrito é liberado após pagar fiança

O homem procurou o Portal Debate Carajás para dar uma nova versão ao caso, divulgado no fim de semana
Foto: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Reginaldo de Jesus da Silva, que foi candidato a vereador nas últimas eleições com o nome de urna “Reginaldo Super Homem”, foi detido na manhã de domingo (19), no Km 6, na Nova Marabá, por estar conduzindo um veículo com registro de roubo ou furto. Acontece que tudo não teria passado de um enorme engano, que acabou sendo verificado na seccional de Polícia Civil. Mas para ser liberado, Reginaldo ainda precisou pagar fiança, porque estava portando uma pistola municiada no momento da abordagem policial. O homem procurou o Portal Debate Carajás para dar uma nova versão ao caso, divulgado no fim de semana.

A Polícia Militar foi acionada via Núcleo Integrado de Operações (Niop), que identificou por meio de câmeras inteligentes que o veículo conduzido por Reginaldo Super Homem, de 51 anos, estava restrito no sistema.

Segundo Reginaldo, o resultado de prisão foi obtido após briga entre duas pessoas envolvidas diretamente na aquisição e venda do veículo. O carro, da Citröen, teria sido vendido por R$ 30 mil, mas como o dono não teria terminado de pagar, o vendedor disse que cobraria juros ou pegaria o carro de volta. Ao saber que o veículo estava com Reginaldo, o vendedor registrou um boletim de ocorrência virtual, que logo fez constar no sistema.

Reginaldo Super Homem no momento em que foi preso

No carro, dentro do porta-luvas, estava uma arma e, justamente por esse motivo, Reginaldo teve que pagar fiança de R$ 3,5 mil para ser liberado. De acordo com o homem, a pistola carregada está registrada em nome do patrão dele, mas ele portava o armamento na ocasião por ter levado o veículo para lavar.

A briga entre o proprietário do veículo e o patrão rendeu essa dor de cabeça a Reginaldo Super Homem, que afinal estava utilizando o carro. No sábado, os dois (proprietário e patrão) se desentenderam por conta de R$ 20 mil que ainda restavam para quitar o veículo. O vendedor prometeu cobrar juros do patrão dele, que havia feito o negócio.

Sendo assim, o proprietário do veículo, não recebendo os R$ 20 mil e ficando desconfiado sobre o pagamento dos juros devidos, registrou um boletim de ocorrência virtual no sábado, com todos os dados do veículo. Esse boletim já estaria valendo no domingo, sendo essa a razão para a abordagem policial, que identificou o carro pelas câmeras inteligentes instaladas no município.

Reginaldo Super Homem espera poder ter o nome desassociado das notícias de que ele foi preso por roubo ou furto de veículo, prática que afirma condenar veementemente. (Portal Debate Carajás)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!