Edmilson Silva foi
mais um pai de família morto no trânsito
Um grave
acidente, ocorrido no início da manhã de ontem (24), na Avenida Antônio
Vilhena, bairro Liberdade, na cidade de Marabá, sudeste do Pará, tirou a vida
de Edmilson
Ferreira Silva
, 39 anos, profissional do serviço de mototaxista na
cidade. Ele estava fazendo uma das primeiras corridas do dia quando sua moto Honda
Fazer, placa OTQ 6471, foi atingida pela motocicleta Facto, placa QDY 0831, cor
vermelha, pilotada pelo jovem Bruno Santos.
 
Preso, Bruno Silva é
acusado de pilotar a moto embriagado
Segundo
informações de pessoas que presenciaram a colisão, Bruno Santos teria participado
de uma bebedeira no Balneário Vavazão durante a madrugada. Por volta de oito
horas, ele saiu do local e provocou o acidente. Na batida entre as duas motos, Edmilson
Silva morreu de forma instantânea e Bruno Silva foi conduzido para o Hospital
Municipal de Marabá, com escoriações pelo corpo. De acordo com integrantes do
Sindicato dos Mototaxistas Autônomos de Marabá (Sinuntam), foi realizado teste
de alcoolemia e constatou-se um número elevado de álcool no sangue do acusado.
 
Revoltados
com o acidente, os colegas de trabalho de Edmilson Silva fizeram uma grande
manifestação na frente do HMM, ainda na manhã de ontem, exigindo a prisão do
acusado. Por volta de 16h 30, Bruno recebeu alta e teria recebido voz de
prisão. A Lei
Nº 13.546
, que entrou em vigor dia 19 de abril de 2018, fixou a pena mínima
de 5 e a máxima de 8 anos para o infrator de crimes ao volante. Além de penalidades previstas
em outras leis. Se for condenado, Bruno Silva deverá ficar vários anos preso. O
caso não cabe pagamento de fiança.
 
Conforme relatos, Bruno Silva seria morador do bairro Liberdade e trabalhava como entregador de espetinhos e marmitex nas ruas Marabá. A vítima, Edmilson Ferreira, era muito querido pela categoria. Ele era evangélico,
pai de três filhos e morava na Vila São José, localizada no Km 8, da BR-230,
sentido a cidade de Itupiranga, local onde o corpo está sendo velado. “Foi
uma grande perda para a categoria, esperamos que esse cidadão pague pelo crime
que cometeu”
, lamentou Emídio Nunes, Presidente do Sinuntam.

Fotos: Reprodução