“Meu irmão é dependente químico”, afirma irmã de agente de trânsito preso em Marabá

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
O agente de trânsito Robson Souza da Silva está sendo chamado de 'traficante' pela imprensa

Foram presos pela polícia e apresentados na 21ª Seccional de Marabá, na madrugada de hoje (4), o agente Robson Souza da Silva, do Departamento Municipal de Trânsito e Transporte Urbano (DMTU), e uma mulher, identificada por Maria Vânia Bandeira, conhecida pela Polícia Militar por tráfico de drogas.

Conforme consta em ocorrência, os militares estavam em patrulhamento de rotina quando, na BR-230, no trecho próximo à churrascaria Tertúlia, na Cidade Nova, eles visualizaram um casal em uma motocicleta conduzida pelo agente de trânsito. Robson e Maria Vânia foram, então, abordados pelas autoridades, ocasião em que os policiais acharam uma peteca de crack em uma das mãos da mulher. Os militares descobriram, em seguida, a partir da ‘fala enrolada’ da traficante, que ela portava mais oito petecas da mesma substância entorpecente na boca, além de R$ 82 trocados na outra mão.

No âmbito jurídico, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) discutem se é constitucional o artigo 28 da Lei Antidrogas que define como crime adquirir, guardar ou portar drogas para si. O caso foi suspenso em 2015 por pedido de vista. Na atualidade, quem é flagrado com drogas para uso próprio está sujeito a penas que incluem advertência, prestação de serviços à comunidade ou medida educativa. Alguns institutos, no entanto, cobram do STF uma posição clara sobre o usuário e o traficante.

“Meu irmão é dependente químico”, afirma irmã de Robson da Silva

O outro lado

A família de Robson da Silva, inconformada, procurou a Redação do Portal Debate Carajás para esclarecer o que vem sendo divulgado na mídia local. Segundo a irmã do agente de trânsito, o mesmo havia passado por um processo de reabilitação em face das drogas há poucos anos. Ainda de acordo com a moça, que tomou ciência do ocorrido via redes sociais, ele é dependente químico desde 2012, mas acreditava ter o mesmo largado o vício.

“Meu irmão não é traficante, ele é um cidadão de bem, casado, servidor público. Mas, infelizmente, sofre com o vício em drogas. Isso é uma doença, um câncer”, contou a irmã de Robson ao Portal.

Robson é casado e vive em Marabá há anos

Quem costuma frequentar os eventos que o DMTU oferece na Praça São Francisco, em frente à Igreja Católica da Cidade Nova, deve conhecer Robson, que é palestrante de educação no trânsito pelo órgão. Residente fixo em Marabá, pai de família e excelente orador, ele não mereceu ter sua vida exposta na imprensa ‘dessa forma’ (em menção às notícias falsas sobre o suposto tráfico que o agente cometia), conforme amigos, familiares e pessoas próximas.

De acordo com o boletim de ocorrência, nenhuma droga foi encontrada com ele. Como é réu primário, não pesando condenações ou passagens pela polícia sobre si, Robson, após audiência de custódia com a juíza Renata Guerreiro Milhomem de Souza, titular da 1ª Vara Criminal de Marabá, que expediu alvará de soltura, foi liberado para responder em liberdade, conforme rege a lei.

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!