Marabá
24°C
Few clouds

Mesa-redonda debate racismo estrutural no Brasil

O “Racismo Estrutural no Brasil” e os “Descritores da Língua Portuguesa” foram debatidos, na manhã desta quarta-feira (13), na Escola Plínio Pinheiro.
Delegado Vinícius Cardoso, Prof. Aldair, Prof. Nyll e Profa Regina Célia - Crédito: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Um dos temas mais controversos debatidos no Brasil, o racismo estrutural, foi bastante discutido, durante 4h30, em uma mesa redonda, desta quarta-feira (13), com os estudantes e professores da Escola Estadual de Ensino Médio Plínio Pinheiro, localizado na Travessa Santa Teresinha, Núcleo Velha, em Marabá, no sudeste do Pará.

Devido a escola se encontrar em reforma predial, o debate foi realizado pela plataforma Google Meet. Os palestrantes foram o Prof. Doutor em História Social da Amazônia, Aldair José Dias Carneiro, Delegado Vinícius Cardoso, titular da 21ª Seccional Urbana de Marabá, Prof. Denilson Barnabé Alves (Química), o “Nyll”, e a Profª Regina Célia, Doutoranda em História Social da Amazônia.

O projeto abrangeu as áreas relativas ao “Racismo Estrutural no Brasil” e “Descritores da Língua Portuguesa em Foco”. O evento contou com a participação de cerca de 100 estudantes, professores e a gestão da Escola. A mediação da mesa redonda e coordenação dos trabalhos com os descritores ficaram sob a responsabilidade do Prof. Pedro Ribeiro de Souza, licenciado em Letras e Artes e Especialista na produção de textos.

Os alunos pertencem as turmas do 2ºE, 3ºA, 3ºB e 3ºC. Os descritores foram trabalhados pelos educandos desde o mês de junho de 2021. No total, sete grupos compostos por vários alunos se revezaram nas explicações sobre os “Descritores da Língua Portuguesa em Foco”. Todos apresentaram excelentes trabalhos com amplo domínio sobre sobre a função de cada descritor no texto.

Os discentes pesquisaram e deram ótimas sugestões para se combater o racismo no Brasil e no mundo. Já em relação ao combate ao racismo estrutural no país, os estudantes conseguiram oferecer diversas propostas de intervenção. Já o Delegado Vinícius Cardoso esclareceu sobre a tipificação do crime de racismo ou calúnia e seus enquadramentos de acordo com o Código Penal  Brasileiro. (CPB). (Portal Debate Carajás)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!