Marabá
26°C
Scattered clouds

Covid-19 mata professora Aida Sepeda em Marabá

Aida Sepeda também era uma competente advogada em Marabá | Foto: Arquivo Pessoal
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

A covid-19 fez mais uma vítima entre os educadores de Marabá, no sudeste do Pará. Desta vez, a vítima foi a querida professora e advogada Aida Terezinha dos Santos de Souza Sepeda, de 35 anos, após lutar duas semanas pela vida em leito de UTI no Hospital Regional do Sudeste do Pará (HRSP). A morte foi confirmada por familiares na manhã deste domingo (4).

Aida estava grávida ao ser infectada pela doença. Uma mobilização entre amigos e familiares chegou a ser iniciada para arrecadar o recurso necessário para custear as despesas de uma UTI aérea para transportar a paciente para Belém, porém amigos e familiares conseguiram um leito de UTI em Marabá. Diante de um grave quadro clínico, a equipe médica realizou um parto cesariano e nasceu Gustavo Sepeda.

A criança veio ao mundo prematura, não resistiu e morreu dias depois. Aida alternava picos de melhora e agravamento de seu estado de saúde, pois possuía um quadro de saturação instável. O falecimento da educadora foi confirmado pelo esposo, Bruno Feliz Fonseca Sepeda da Silva.

Os professores de Marabá estão bastante preocupados, porque existem vários trabalhadores infectados e as aulas devem retornar na rede municipal, nos próximos dias, sem nenhuma estrutura adequada, muito menos vacinação. Centenas de professores estão se recusando a frequentar a escola por medo de contrair a doença e ainda infectar os familiares.

Como exemplo, o professor Cristiano (Filosofia) encontra-se entre a vida e a morte com um quadro grave de covid-19. Nas redes sociais, os educadores cobram esclarecimentos da Semed e do Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Marabá (Sintepp). De acordo com os servidores, alguns diretores estariam forçando a presença de técnicos e professores na escola para “fazer média” com a Secretaria de Educação de Marabá.

Diante da maior crise sanitária de todos os tempos, se não existir a segurança sanitária protocolar, os mestres estão mais do que certos em não comparecerem ao local de trabalho. Aida Sepeda é natural de Belém e não se sabe ainda se a advogada da OAB Subseção Marabá e técnica em educação, lotada na 4ª Unidade Regional de Ensino (4ª), será sepultada em Marabá. (Portal Debate Carajás)

Vítima estava grávida quando contraiu a doença e perdeu filho após o parto

Matéria atualizada às 9h25 de 4 de abril de 2020

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!