Manifestantes interditam estrada do Rio Preto, em Marabá

Reunião de mobilização para realização do manifesto pela população da região do Rio Preto
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Moradores interditaram na manhã de hoje (19), à altura da Vila Santa Fé, o trânsito da estrada do Rio Preto, reivindicando o asfaltamento de uma extensão de 226 km, saindo de Marabá até a divisa do município de São Félix do Xingu, segundo informações vindas de uma fonte ligada à empresa MB SA, conhecida popularmente como Mineradora Buritirama, mas existem indícios de que o bloqueio poderá ocorrer em outros pontos da estrada.

De acordo com mensagens divulgadas nas redes sociais, o bloqueio está ocorrendo próximo à Chácara do Charles. Ainda segundo a fonte, a Buritirama não discorda da reivindicação dos manifestantes, mas alega que a estrada do Rio Preto é uma estrada vicinal, portanto de responsabilidade da prefeitura de Marabá, porém nunca se negou a fazer parte de uma parceria para realização da pavimentação do trecho em questão.

A empresa estaria reclamando ainda que mineradores clandestinos, madeireiros, boiadeiros e transportadores de carga utilizam a estrada diariamente, entretanto não são cobrados pela manutenção. A “Buritirama” observa que, em fevereiro de 2019, reuniu-se com o governo do estado do Pará para viabilizar a execução da pavimentação, mas a proposta do projeto executivo nunca chegou à mineradora.

A “Buritirama” protesta que apesar de não ser a única usuária da via, a população debita à mineradora todos os problemas existes na estrada do Rio Preto. A fonte afirma que a empresa sofreu, recentemente, uma severa fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente do Pará e de 15 órgãos ligados à prefeitura de Marabá, no entanto nada de irregular foi encontrado durante as fiscalizações. A fonte assegura ainda que a “Buritirama” destina recursos para melhorar a infraestrutura de escolas, preservação do meio ambiente e combate à exploração sexual na Região do Rio Preto.

Já os moradores da região do Rio Preto atribuem à Mineradora Buritirama, problemas como a poeira excessiva no verão, buracos, atoleiros e muita lama no período de inverno. “A Buritirama ganha rios de dinheiro, retirando todo o minério da região do Rio Preto e não quer gastar um centavo para asfaltar a estrada que ela mesma danifica com seus pesados caminhões”, reclama um antigo morador da Vila Três Poderes. Os habitantes argumentam que só realizar o serviço de terraplanagem e molhar com o carro pipa, não se resolve os problemas existentes, há décadas, na estrada do Rio Preto.

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!