Marabá
25°C
Clear sky

Maioria dos brasileiros aprova CPI da Covid, mostra pesquisa

Mas apenas 27% dos brasileiros acredita que a CPI vai identificar soluções para os problemas causados pela pandemia
CPI da Covid investiga omissões do governo federal na pandemia | Foto: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Apesar dos esforços do governo Bolsonaro para deslegitimar a CPI da Covid, a maioria dos brasileiros é a favor da continuação da comissão que investiga ações e omissões do Governo Federal durante a pandemia.

A Pesquisa do Instituto DataSenado mostra que 75% dos brasileiros concordam com a criação da CPI da Covid; apenas 20% discordam e 5% dos entrevistados não souberam responder.

Em relação aos trabalhos, 65% sabem que a CPI está em funcionamento. Desse grupo, 73% dizem que acompanham com frequência e, desses, 37% avaliam como “ótimo ou bom” os trabalhos da comissão.

Entretanto, sobre os objetivos a serem alcançados pela CPI, a maioria é descrente. Apenas 27% dos brasileiros acredita muito que a CPI da Covid-19 vai identificar soluções para os problemas causados pela pandemia, enquanto 50% dizem acreditar pouco nessa probabilidade.

Vacinação

A pesquisa mostrou ainda que aproximadamente 8 em cada 10 brasileiros acham que a vacinação contra o coronavírus no Brasil está sendo feita de maneira lenta. Para 39% da população, todos os brasileiros com mais de 18 anos receberão a vacina em 2022 e 29% acham que isso acontecerá somente em 2023.

Apesar de a maioria avaliar de forma negativa o ritmo da vacinação no país, 24% dos brasileiros acreditam que a população maior de idade estará vacinada até o final de 2021.

Dos 74% que não tomaram a vacina contra o coronavírus, 86% dizem que pretendem tomá-la, enquanto 12% não. Entre as razões para não tomar a vacina, a falta de confiança foi a mais citada pelos entrevistados.

Mas dois terços dos brasileiros defendem que tomar a vacina deve ser obrigatório.

Instituto DataSenado ouviu por telefone 2,5 mil pessoas entre os dias 11 e 13 de maio; a pesquisa também questionou o apoio à vacinação. (DOL)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!