Marabá
31°C
Overcast clouds

Justiça do Trabalho afasta toda diretoria do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio de Marabá

Crédito: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

A juíza Bianca Libonato Galúcio3ª Vara do Trabalho de Marabá, aceitou os argumentos apresentados pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e afastou toda a diretoria do Sindicato dos Empregados do Comércio do Município de Marabá e Sul do Pará (Sindecomar) devido a diversas irregularidades na gestão da entidade sindical e fraudes na condução do processo eleitoral para escolha de nova diretoria.

A decisão foi publicada ontem (16). A magistrada ordenou o imediato bloqueio de contas pertencentes ao Sindecomar junto à Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Santander, Itaú e Bradesco, comunicando o afastamento da atual dietoria e expediu ondem para que um Oficial de Justiça notifique todos os envolvidos na sentença.

‘Oposição’

Dr. Rodrigo Botelho, advogado do grupo de oposição, comunicou ao Portal Debate Carajás que vai ingressar com um pedido de suspeição contra a Federação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços do Estado do Pará e Amapá, conhecida como “Fetracom”, na organização do processo eleitoral, pois o presidente José Francisco de Jesus Pantoja Pereira, “Zé Francisco”, apoia, de forma explícita, o grupo comandado pelo ex-presidente João Luiz da Silva Barnabé.

A sentença determina convocação de assembleia geral, realização de eleição, em um prazo de 90 dias, a cargo da “Fetracom”, e proíbe os integrantes da atual diretoria a se candidatarem. A decisão judicial deve por um fim a um problema que se arrasta nos tribunais desde o mês de novembro de 2019.

O mandato da diretoria afastada do Sindecomar expirou em 23/12/2019, mas o grupo vinha ditando as regras dentro da entidade sindical. Cabe recurso da decisão da juíza Bianca Galúcio. A Redação não conseguiu contato com membros da diretoria afastada, mas sabe-se que os advogados já teriam ingressado com recurso na instância superior.

Fonte: Portal Debate Carajás

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!