Marabá
30°C
Clear sky

Carnes estão 30,8% mais caras em um ano; gasolina sobe 39,1% e álcool 62,3%

Crise política e falta de reforma administrativas seriam os causadores de uma inflação chegando a casa de dois dígitos em 2021
Foto: Ilustração
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

A inflação de agosto (0,87%) foi a mais alta para o mês desde de 2000 e, no acumulado de 12 meses, atingiu 9,68%. Mas alguns itens de consumo básico do brasileiro subiram muito acima da média do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), calculado pelo IBGE.

O repolho assumiu o topo da lista da inflação em 12 meses (desde setembro de 2020), com alta de 75,7%, desbancando o óleo de soja (67,7%), que há meses liderava o ranking.

Ainda entre os alimentos, o pimentão subiu 59,5%, o pepino 59,3%, a abobrinha 58,4% e a mandioca (aipim) 41,6%. O prato do brasileiro também ficou mais caro por causa do arroz (32,7%), do feijão fradinho (40,3%) e das carnes em geral (30,8%).

Entre as carnes, as que ficaram mais caras no último ano foram: músculo (38,9%), patinho (36,1%), cupim (35,5%), filé-mignon (35,3%) e lagarto comum (34,3%).

O botijão de gás, essencial para a cozinha de milhões de famílias, subiu 31,7% na média nacional. Na região de Curitiba, a inflação do botijão chega a 36,3%, a maior alta entre as cidades pesquisadas pelo IBGE no país.

A alta dos combustíveis para veículos (30,2%) também pesa no bolso do consumidor. O álcool (etanol) disparou 62,3%, a gasolina subiu 39,1% e o diesel, 35,4%. A energia elétrica residencial acumula alta de 21,1% desde de setembro de 2020.

A alta reflete o acionamento de usinas termelétricas e a importação de energia para compensar a baixa produtividade das hidrelétricas nacionais, que enfrentam uma crise por causa da seca.

Confira a seguir alguns itens que mais subiram entre setembro de 2020 e agosto de 2021.

Crédito: Reprodução

Vilões da inflação (IPCA acumulado em 12 meses)

  • Repolho: 75,7%
  • Óleo de soja: 67,7%
  • Pimentão: 59,5%
  • Pepino: 59,3%
  • Abobrinha: 58,4%
  • Mandioca (aipim): 41,6%
  • Feijão fradinho: 40,3%
  • Gasolina: 39,1%
  • Músculo: 38,9%
  • Açúcar refinado: 37,7%
  • Material hidráulico: 36,6%
  • Patinho: 36,1%
  • Cupim: 35,5%.
  • Diesel: 35,4%
  • Filé-mignon: 35,3%
  • Lagarto comum: 34,3%
  • Laranja-lima: 33,4%
  • Costela: 33,3%
  • Picanha: 33,1%
  • Arroz: 32,7%
  • Pneu: 31,9%
  • Gás de botijão: 31,7%
  • Tomate: 31,4%
  • Alcatra: 29,8%
  • Frango em pedaços: 25%
  • Energia elétrica residencial: 21,1%.

Inflação acumulada acima da meta

A inflação acumulada em 12 meses, de 9,68%, está acima da meta estabelecida pelo Banco Central para este ano, que é de 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos —ou seja, podendo variar entre 2,25% e 5,25%. Desde o início do ano, a inflação acumulada é de 5,67%. (UOL)

Crédito: Reprodução

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!