As lideranças indígenas invadiram a 4ª Unidade Regional de Educação como parte da reivindicação | James Oliveira

A 4ª Unidade Regional de Ensino (4ª URE), em Marabá, foi invadida, na manhã desta quarta-feira (14), por indígenas de cerca de 15 aldeias da região de Marabá e Bom Jesus do Tocantins. As lideranças indígenas reivindicam a presença de professores e educadores para as escolas.

“Estamos muito chateados, sabemos que o colégio do branco aqui próximo mesmo já está funcionando tudo bonitinho, tudo direitinho, nossos filhos estão perdendo aula. Queremos algo sério, a partir de hoje porque senão tomaremos uma decisão mais radical”, desabafou o cacique Airomjipokre da aldeia Gavião AkrotiKatejê.

O diretor da 4ª URE, Cristiano Gomes Lopes, esclarece que as lideranças indígenas sempre procuraram a coordenação em Marabá para atendimento e ressaltou que existe um processo seletivo em andamento para atender essas demandas. “Encaminhamos as solicitações dos indígenas para Belém, às vezes eles encaminham por conta deles para outros setores e assim como eles estamos aguardando alguns desfechos. Ainda temos alguns fatores como documentação, prazo estendido por conta do Termo de Ajuste de Conduta (TAC) do Ministério Público Federal entre a Seduc e as lideranças indígenas e isso atrasou um pouco essas contratações”, explicou.

O coordenador da 4ª URE informa também que a Seduc já autorizou a chamada de 30 novos educadores a nível de urgência. Além da contratação de professores também são chamados o pessoal de apoio. 

Atualmente já são 11 escolas localizadas dentro das reservas indígenas e estudos estão sendo feitos para adequar a questão das contratações. De acordo com Cristiano Lopes, existem escolas com 40, 50, 100 e até 200 alunos. “O sistema que faz o cálculo de quantos servidores precisa para cada escola leva em consideração o número de matrículas, a dependência da escola”.

DOL