Marabá
28°C
Clear sky

Idosa é resgatada de casa onde vivia em situação de escravidão há 41 anos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

“Em 41 anos, ela nunca teve dinheiro para comprar um picolé”, revelou o fiscal do trabalho Alexandre Lyra, um dos integrantes da força-tarefa do governo federal responsáveis pela Operação Resgate, que confirmou duas das cinco denúncias de trabalho em situação análoga à escravidão no Rio de Janeiro.

Ele se refere a uma senhora de 63 anos, empregada há 41 na casa de uma família no bairro da Abolição, zona norte da capital. Ela e outra senhora foram levadas para um abrigo da rede de assistência conveniada ao Ministério da Economia.

A fiscalização fez parte da Semana Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Só no ano passado foram 942 pessoas resgatadas em situação análoga à escravidão em todo o país. “A senhora resgatada na Abolição nos contou que ainda catava latinhas e ganhava R$ 5, R$ 6 ou R$ 7 por semana, mas o dinheiro ainda ficava com os patrões”, afirmou Lyra.

A mulher, que não teve a identidade revelada, dormia em um pequeno quarto, sem luz nos fundos da casa. Segundo Lyra, as senhoras resgatadas têm direito a indenização por tempo de serviço de R$ 104 mil e R$ 68 mil, que devem ser pagas em 10 dias pelos patrões.

E mais: um seguro-desemprego de um salário mínimo durante os próximos três meses. “A que resgatamos em Vila Isabel trabalhava para a família há 30 anos e ficava à disposição 24 horas”, completou Lyra.

Patrões sacaram auxílio emergencial

Integrantes da força-tarefa confirmaram que os patrões da senhora de 63 anos sacaram R$ 600 referentes à primeira parcela do auxílio emergencial dela. Em depoimento, a idosa declarou que entregou seus documentos à patroa, mas achava que não teria direito a receber o benefício porque sua carteira de identidade era muito velha.

Viviam sob gritos

O Ministério Público do Trabalho vai pedir à Justiça indenização para as vítimas compatível com o período em que elas viveram em situação análoga à escravidão. “Essas senhoras são muito inocentes. Viviam sob gritos ouvidos pelos vizinhos. É preciso denunciar”, argumentou Lyra.

Denúncias sobre trabalho análogo à escravidão podem ser feitas pelo Disque 100, do governo federal, ou pelo site ipe.sit.trabalho.gov.br.

Fonte: Metrópoles

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!