Um dos maiores traficantes de drogas e armas da América do Sul, Fernandinho Beira-Mar, realizou o trabalho de conclusão de curso e se formou em Teologia pela Faculdade Batista do Paraná. Segundo o site UOL, Beira-Mar analisou Jesus Cristo e criticou a globalização, o consumismo e o capitalismo em seu trabalho final, que se transformará em seu primeiro livro.

Apesar de ter concluído o curso, Beira-Mar não compareceu à colação de grau no campus da faculdade, em Curitiba, em agosto do ano passado. Na declaração anexada ao TCC, ele não explicou o motivo da ausência na formatura. Atualmente, ele está preso em Mossoró (RN) e vive sob a rotina de isolamento imposta pelo Regime Disciplinar Diferenciado (RDD). Com o uso de computadores nas unidades prisionais federais, o traficante conseguiu fazer o curso.

Ainda segundo o UOL, Em seu TCC, Beira-Mar falava sobre Jesus Cristo. “Era um Homem que levava sua palavra sem se preocupar com estabelecimentos, pregava em montes, praias, cidades e templos, levando o Reino de Deus aos que necessitavam, sem prometer a fortuna na terra, e sim a fé, a caridade e o amor”, escreveu.

De acordo com o site das Faculdades Batista do Paraná, o curso Bacharelado em Teologia a distância é direcionado a “pessoas que procuram se aprofundar no aprendizado das Escrituras, a líderes que querem se preparar para atender ao chamado de uma vida eclesiástica, também para aqueles que querem se especializar como docente na área Teológica, e pessoas, no geral, que desejam melhorar sua qualificação para o trabalho em suas comunidades religiosas”.

Beira-Mar estudou na Faculdade Batista do Paraná

Pablo Escobar brasileiro

Um dos traficantes de drogas e armas mais famosos do país, Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, foi capturado em um acampamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) em 2001. À época, foi descrito nos jornais colombianos como o “Pablo Escobar brasileiro”.

Apesar de preso, há indícios de que Beira-Mar ainda comande, de dentro da cadeia, diversas atividades de tráfico de drogas no Brasil.

Acrítica