Marabá
26°C
Overcast clouds

Evento com Bolsonaro em Marabá tem Malafaia no palanque, clima de campanha e ataques a Lula

Gritos de ‘Lula, ladrão’, títulos de cidadão de duas cidades e presente alusivo à eleição de 2022 fizeram parte de cerimônia em Marabá
Em Marabá, o presidente Jair Bolsonaro ergue camisa alusiva à sua campanha de reeleição em 2022 | Foto: TV BrasilGov no YouTube
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Em clima de campanha eleitoral em um evento oficial nesta sexta-feira (18) que contou com gritos de “Lula, ladrão” e a presença do pastor Silas Malafaia, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) entregou 50 mil títulos fundiários em Marabá, no sudeste do Pará.

O evento ocorreu no Parque de Exposições José Francisco Diamantino, palco da Expoama, e foi aberto ao público. Logo no início, Bolsonaro pediu a retirada de um cercado para que as pessoas pudessem se aproximar.

O tom de campanha eleitoral esteve presente o tempo todo na cerimônia, seja em discursos de políticos locais, de Malafaia ou na fala do próprio Bolsonaro. Com aglomeração, não havia nenhum distanciamento entre as pessoas —muitas sequer usavam máscaras.

No evento, o presidente recebeu duas camisetas de presente e uma caneca. Em uma das peças de roupa, que Bolsonaro levantou após olhar o que estava escrito, constava a frase “É melhor Jair se acostumando, Bolsonaro 2022”. Um apoiador recebeu o microfone do próprio Bolsonaro e defendeu garimpeiros e madeireiros.

O presidente também foi homenageado pelas câmaras municipais de duas cidades (Marabá e Jacundá), que lhe concederam honrarias. No caso de Jacundá, Bolsonaro recebeu o título de “Cidadão Jacundaense”, enquanto em Marabá foi homenageado com Título de Honra ao Mérito, após a rejeição do de “Cidadão Marabaense” pela CMM.

Além de políticos da região, Malafaia discursou e fez críticas indiretas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele afirmou que “corrupto, bandido que saqueou esse país não vai mais enganar o povo brasileiro” e que esses, sem citar nomes, são “os verdadeiros genocidas”.

“Declaro que vão vir tempos de benção e prosperidade sobre o Brasil. Presidente Bolsonaro, os seus inimigos não prevalecerão contra você. Você com Deus é maioria sempre”, disse. Parte dos presentes já havia gritado “Lula, Ladrão, seu lugar é na prisão” antes de Geraldo de Melo Filho, presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), discursar.

Além do ex-presidente petista, também foi hostilizado com gritos semelhantes o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB). Em sua fala, Bolsonaro agradeceu a presença de Malafaia e disse que a entrega dos títulos fundiários afasta o risco de ações do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

“Deixei para citar por último uma pessoa que me é muito grata, veio do Rio de Janeiro acompanhando a comitiva, uma pessoa que não me defende, fala a verdade […], que é o Silas Malafaia. Um gigante, um homem de fé, mas um homem que tem Deus, além de Deus no coração, ele o tem nas cores verde e amarela.”

Segundo o presidente, o homem só pode produzir se tiver segurança no que trabalha e que os títulos distribuídos nesta sexta permitirão isso. “Dessa forma, cada vez mais, nós afastamos as atividades nefastas do MST”, afirmou Bolsonaro.

O presidente voltou a criticar medidas restritivas da pandemia no país e disse que, se o homem do campo não tivesse trabalhado, o país teria desabastecimento.

No evento, houve entregas simbólicas de títulos fundiários, dois de cada uma das três superintendências do Pará. O documento, também chamado de TD (Título de Domínio), compreende a etapa final do processo de reforma agrária.

O objetivo da regularização fundiária é entregar os títulos definitivos a assentados pela reforma agrária e pequenos agricultores que produzem e ocupam terras da União há muitos anos e podem comprovar sua permanência e trabalho no local.

De Marabá, Bolsonaro e comitiva embarcaram para a segunda parte de visita em território paraense, para participar de uma cerimônia de liberação da pavimentação de um trecho da rodovia Transamazônica e assinatura da ordem de serviço para o Início das obras da ponte sobre o rio Xingu na região de Novo Repartimento (PA).

De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), serão no total, 102 quilômetros, que representam investimento de R$ 219 milhões.

O trecho liga os municípios de Itupiranga e Novo Repartimento, na região do lago de Tucuruí, que fica a 196 quilômetros de Marabá. (Com Folha)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!