Marabá
25°C
Clear sky

Enquanto shows são liberados, escolas públicas seguem fechadas em Parauapebas

Comunidade protesta contra a demora no retorno das aulas presenciais. O atraso estaria prejudicando as crianças e jovens da camada mais pobre da população.
Escola Nelson Mandela encontra-se fechada desde 2020/ Foto: Ascom PMP
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

O retorno das aulas presenciais em Belém e Marabá, nesta segunda-feira (13), e a autorização para a realização do show do cantor Nattan, neste sábado (11), na casa noturna Villa Texana, entre outros eventos com aglomeração, revoltou pais, alunos e grande parte dos professores, na cidade de Parauapebas, no sudeste do Pará.

A presença de um público enorme no Bairro Maranhão, às margens da PA-275, levou centenas de internautas a criticarem a Vigilância em Saúde (Visa) de Parauapebas, pois o órgão vem liberando a realização de shows com aglomerações gigantescas, mas as escolas públicas continuam fechadas, prejudicando cerca de 48 mil da rede municipal de ensino.

O Portal Debate Carajás vem recebendo denúncias, há meses, sobre a falta de boa vontade da Prefeitura de Parauapebas (PMP) para adequar os prédios das unidades de ensino, visando ao retorno imediato das aulas presenciais. A falta de capacidade técnica, ausência de autonomia e nenhuma força política do “Prof. Leal”, atual Secretário Municipal de Educação, estaria atrasando o retorno das aulas presenciais e prejudicando a população mais pobre.

Segundo pais de alunos, a rede particular de ensino de Parauapebas retomou as aulas presenciais desde o mês de agosto de 2020. No entanto, um das cidades mais ricas do Brasil não consegue aparelhar suas escolas para a volta da rotina escolar para os alunos mesmo sendo detentora de um orçamento gigantesco.

Música e aglomeração marcaram show em Parauapebas – Crédito: Redes sociais

O começo do atraso na implementação de medidas para o retorno imediato das aulas presenciais teria ocorrido ainda na gestão do ex-secretário de educação, Prof. Luiz Vieira, pois o município possui recurso de sobra para ter dado início às medidas de adequação das escolas logo no início da pandemia da covid-19 em 2020.

Nas redes sociais, a cobrança pelo retorno das atividades escolares em Parauapebas dominou o debate, mas, para desânimo de pais e alunos, apenas no dia 4 de outubro de 2021, está previsto o começo do ano letivo presencial pela Secretaria de Educação (Semed), mesmo o Plano Nacional de Vacinação (PNI) tendo concluído o processo de imunização de professores.

Nesta segunda-feira (13), a Reportagem ouviu pais de alunos sobre a data prevista para o retorno das aulas presenciais. A maioria classificou a medida como uma palhaçada e detonou o prefeito Darci Lermen (MDB), esculachou o “Prof. Leal” e demonstrou descrédito no sistema de ensino de Parauapebas.

O Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), em Parauapebas, passou a receber duras críticas devido a falta de ações efetivas que cobrassem o imediato retorno das aulas presenciais e a benevolência demasiada com a realização de grandes shows na cidade mais rica do Pará. (Portal Debate Carajás)

Cerca de 48 mil alunos estão sem aulas presenciais em Parauapebas – Crédito: Reprodução

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!