Marabá
31°C
Overcast clouds

Entidades pedem afastamento de Dom Alberto Taveira no Pará

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Trinta e sete entidades divulgaram uma nota pública, nesta quarta-feira (23), manifestando apoio às investigações que apuram acusações de abuso sexual praticadas pelo Arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira.

No documento, as instituições destacam os crimes escrachados em uma matéria do Jornal El País, publicada no último domingo (20), sobre os supostos atos libidinosos e sexuais praticados pelo líder religioso, detalhados na reportagem intitulada “Polícia e Vaticano investigam acusação de assédio e abuso sexual contra arcebispo de Belém”.

As instituições abaixo listadas vêm, perante a sociedade civil e as autoridades competentes, manifestar-se em apoio às investigações, requerendo que seja observado o direito à ampla defesa e ao contraditório do Sr. Arcebispo, mas também que sejam garantidos os direitos das vítimas ao devido processo legal e acesso à justiça, sem interferências indevidas”, diz um trecho do comunicado.

Em outro momento, o documento diz ainda que “as entidades recomendam o imediato afastamento do Arcebispo de Belém Dom Alberto Taveira de suas funções até o final das investigações e de eventual processo”.

O pedido é justificado na nota já que ressalta que, no entendimento das entidades, o afastamento “visa garantir a eficiência e a efetividade das investigações que hoje tramitam na Polícia Civil com acompanhamento do Ministério Público do Estado”. Além disso, as instituições “também entendem que as instituições públicas envolvidas devem propiciar ambiente seguro, sem risco de retaliações para colher eventuais depoimentos e denúncias de outras vítimas”.

“As instituições subscritoras confiam nas autoridades eclesiásticas e no sistema de justiça pra esclarecer os fatos e preservar os direitos e a integridade de investigados e de vítimas dos crimes citados e que venham a ser comprovados”, finaliza o texto.

Fábio Costa / Arquivo O Liberal

Confira as instituições que assinam a nota pública: 

  • ABRAPSO – Núcleo Santarém
  • Articulação de Mulheres Brasileiras- AMB
  • Associação Brasileira de Organizações não Governamentais – ABONG
  • Associação Brasileira dos Juristas pela Democracia – ABJD Núcleo Pará
  • Capítulo Brasileiro do Observatório Latino-americano sobre Tráfico de Pessoas e Contrabando de Migrantes
  • Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB/PARÁ
  • Centro de Defesa do Negro no Pará (CEDENPA)
  • Coletivo Apartidário VENTIMBORAJOVEM – Belém
  • Coletivo Sapato Preto – Negras Amazônidas
  • Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Santarém
  • Conselho Regional de Psicologia da 10a Região – Pará e Amapá (CRP10)
  • Conselho Regional de Serviço Social- Pa
  • Federação Estadual dos Centros Comunitários e Associação dos Moradores do Pará – FECAMPA
  • Fórum de Mulheres da Amazônia Paraense – FMAP
  • GEMPAC – Grupo De Mulheres Prostitutas Do Estado Do Pará
  • Grupo de estudos “Direito a Igualdade e Valorização das Sexualidades” (DIVaS/UFPA)
  • Grupo de Estudos e Pesquisas Direito Penal e Democracia (UFPa)
  • Grupo de Estudos sobre Currículo e Formação de Professores na Perspectiva da Inclusão- INCLUDERE/UFPA
  • Grupo Inquietações: Arte, Saúde e Educação (UFPA)
  • Instituto Cartografando saberes
  • Instituto Jovem Positivo do Pará (IJOPPA)
  • Instituto Paulo Fonteles de Direitos Humanos
  • Instituto Popular Eduardo Lauande
  • Instituto Universidade Popular (UNIPOP)
  • Movimento Atitude Afro – Pará
  • Movimento de Mulheres do Campo e da Cidade – MMCC
  • Movimento de Mulheres Negras de Santarém
  • Movimento LGBTI+ do Pará
  • Movimento República do Emaús/ Centro De Defesa Da Criança E Adolescente- CEDECA
  • Mulheres contra o Fascismo
  • NOSMULHERES, pela equidade de gênero étnico racial – UFPA
  • Núcleo de Estudos Interdisciplinares da Violência na Amazônia (NEIVA/UFPa)
  • ONG Só Direitos
  • Projeto Saúde, Cidadania e Direitos Humanos – IQ/UFPA
  • Rede de Comunicadores por Direitos Humanos no Pará
  • Sociedade de Defesa dos Direitos Sexuais na Amazônia- SODIREITOS
  • Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SDDH)

Fonte: O Liberal

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!