Marabá
31°C
Clear sky

Marabá registra 14 mortes em uma semana e acende alerta para 3ª onda da pandemia

Ao todo, 410 pessoas perderam a vida para a doença no município desde o início da pandemia. Medidas de restrição de circulação de pessoas, combinadas a outras ações sanitárias, são apontadas por especialistas como as mais eficazes no controle da transmissão do novo coronavírus
Foto: Fábio Motta/Agência O Globo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Em uma semana, desde o dia 31 de maio, o município de Marabá, na região sudeste do Pará, registrou 14 mortes de pacientes com a covid-19. Aliado a esse número, está o preocupante índice de ocupação de leitos nos hospitais públicos. Nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), que são o retrato da baixa capacidade de resposta do sistema de saúde, a ocupação é de 98% (49 dos 50 leitos disponíveis estão ocupados). Já nas Unidades de Cuidados Especiais (UCEs), instaladas no Hospital Municipal, a taxa diminui para 75% (15 dos 20 leitos estão ocupados). E nas enfermarias, sobram apenas 10 dos 36 leitos totais, com lotação de 72%. Detalhe: a maioria dos pacientes vem de outros municípios desta região, que está em alerta para as variantes da doença do novo coronavírus.

Em Marabá, 410 pessoas perderam a vida para a covid-19 desde abril de 2020. Ao todo, 18.497 pessoas foram diagnosticadas com a doença, mas 17.945 se recuperaram. As mulheres de 21 a 50 anos foram as mais afetadas, com 50,8% de incidência. Os homens da mesma faixa etária aparecem com 49,2% de incidência da doença, cuja taxa de letalidade é de 2,2% em Marabá. Por isso, 100 pessoas permanecem em isolamento domiciliar na cidade.

Na vizinha Parauapebas, os números mais recentes apontam 417 perdas para a covid-19, 50.827 casos confirmados e 49.162 recuperados. A taxa de ocupação de leitos de UTI na rede privada chegou ao limite (100%), mas na rede pública permanece em 71%. Já a ocupação de leitos de enfermaria na rede particular é de 39%, mas na rede pública é de 75%. 1.177 pessoas estão em isolamento domiciliar no município.

Em Eldorado do Carajás, que fica na interseção da BR-155, o quadro epidemiológico desta segunda-feira (7) notifica 28 mortes confirmadas desde o início da pandemia, 623 casos confirmados, 576 recuperados e 1.136 descartados. Sete casos foram confirmados nas 24 horas anteriores, 47 casos estão ativos e três pacientes estão internados com complicações da doença.

Em Curionópolis, município situado na extensão da PA-275, a última atualização da prefeitura ocorreu em 31 de maio. Na ocasião, eram 32 mortes por covid-19, 2.333 casos confirmados e 2.284 recuperados. 17 pessoas estavam no tratamento em domicílio e ninguém estava internado naquela data. O município leva em consideração também as notificações da comunidade de Serra Pelada.

Já na cidade de São Domingos do Araguaia, distante 56 quilômetros de Marabá via BR-230 e BR-153, o cenário é um pouco mais desolador. Apesar de possuir menos de 30 mil habitantes, o município contabiliza 39 vítimas da doença fatal, 2.171 confirmações, 2.059 recuperações e cinco internações. Os números também se referem ao dia 31 de maio e podem não refletir a realidade desta semana, posto que quase diariamente a prefeitura local divulga notas de pesar pelo falecimento de cidadãos pela covid-19.

Em São João do Araguaia, 10 pacientes com a covid-19 faleceram desde o ano passado, 702 foram confirmados com a doença e 512 apresentaram recuperação. 64 casos da doença ainda estão ativos na cidade e 220 pessoas estão em tratamento domiciliar. Os dados são desta segunda-feira (7).

Bom Jesus do Tocantins, às margens da BR-222, registra 24 mortes, 746 casos confirmados e 700 recuperados da covid-19. 23 casos ainda estão sob suspeita e 1.255 foram descartados. 22 pessoas permanecem isoladas em casa. A taxa de letalidade é de 3,21%. Os dados se referem ao dia 31 de maio.

O município de Conceição do Araguaia está em lockdown desde sábado (5) e instalou barreiras sanitárias nas rodovias estaduais PA-287, PA-447 e PA-449. Está permitido o funcionamento apenas de comércios e serviços considerados essenciais, como supermercados, farmácias, panificadoras, açougues, mercearias, postos de combustível, distribuidoras de água e gás, lotéricas, agências bancárias e delivery de alimentos, medicamentos e itens de limpeza e higiene pessoal.

Conceição registra 61 óbitos desde o início da pandemia, 3.652 casos confirmados, 3.128 recuperados, e 76 monitorados. Os números foram atualizados nesta segunda.

Lockdown funciona

Com o aumento dos casos e internações por covid-19, algumas cidades iniciaram restrições mais severas para enfrentar a pandemia. A cidade de Amparo (SP), por exemplo, iniciou um lockdown por dois fins de semana. A cidade, que já havia adotado a volta à fase emergencial do Plano São Paulo no dia 1º de junho, decidiu limitar ainda mais o funcionamento dos serviços essenciais, fechar mercados e até postos de gasolina.

A medida foi tomada após a cidade registrar falta de leitos de UTI e de enfermaria no último dia 30 de maio. Segundo a prefeitura da cidade, só no mês de maio, 46 pessoas morreram por covid-19 — o maior índice desde o início da pandemia.

Tuiuti, Arco-Íris, Bastos, Herculândia, Iacri, Queiroz, Parapuã, Rinópolis, Tupã e Monte Azul Paulista foram outras cidades de São Paulo a adotar o lockdown como medida de enfrentamento à pandemia de covid-19. As informações são da Agência Brasil.

Medidas de restrição de circulação de pessoas, combinadas a outras ações sanitárias, são apontadas por especialistas como as mais eficazes no controle da transmissão do novo coronavírus.

Nesta segunda-feira (7), o Brasil ultrapassou a marca de 17 milhões de infectados por covid-19. Desde o início da pandemia, em março de 2020, o país soma 474.614 mortos, segundo dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

Especialistas seguem reforçando a necessidade de um sério lockdown nacional. Não só a medida tem sido constantemente negada pelo governo Bolsonaro, como o presidente da República segue criticando as políticas de isolamento encampadas por estados e municípios.

Das 100 maiores cidades brasileiras, as três que possuem menores taxas de óbitos por covid-19 viveram semanas de lockdown. Petrolina (PE), Taubaté (SP) e Ribeirão das Neves (MG), respectivamente, ocupam as três melhores posições do ranking.

Os números, obtidos juntos às secretarias municipais, foram organizados pela empresa de consultoria Macroplan e divulgados pela revista Exame no dia 26 de março. (Vinícius Soares/Debate Carajás)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!