Marabá
29°C
Overcast clouds

Educação: Secretaria vira cobiça de pastores e vereadores em Parauapebas

Crédito: Pebinha de Açúcar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

O prefeito reeleito, Darci Lermen (MDB), está com um importante desafio no seu próximo governo. Sua eleição foi fruto de uma ampla coligação, e, naturalmente, os partidos políticos e até grupos religiosos querem a fatia do “bolo”. Uma das pastas mais cobiçadas do momento é a Secretaria de Educação (Semed) de Parauapebas, no sudeste do Pará.

Além da vereadora Eliene Soares (MDB), que se elegeu prometendo a sua base eleitoral que administraria a pasta, Fenelon Lima Sobrinho (PSC), conhecido como “Pastor Fenelon”, líder das Assembleias de Deus de Parauapebas, vem cobrando do prefeito a promessa que o gestor teria feito na campanha de abrigar o grupo religioso no comando da robusta Secretaria de Educação.

Segundo informações dos próprios correligionários do pastor, Fenelon teria abrido mão de indicar o candidato a vice-prefeito de Darci, mas em troca da SEMED, e o acordo fora sacramentado pelo Senador Zequinha Marinho (PSC). A dupla evangélica estaria exigindo o cumprimento da promessa de campanha.

O problema é que somados os votos de todos os candidatos do Partido Social Cristão, a legenda obteve apenas 2.484 votos e não elegeu nenhum vereador. Um fiasco. Votação insignificante para a pretensão de gerenciar um orçamento gigantesco de R$ 476,6 milhões previsto para 2021 e ainda condicionar a educação nos moldes fundamentalistas religiosos.

Sem dúvida, seria um retrocesso na educação e grande perda para a população. Conhecendo o perfil pragmático do prefeito Darci, ele não cairia nessa cilada.

Lermen também estaria sofrendo uma pressão danada por parte de alguns vereadores. Os parlamentares estariam lutando para obter o comando político da Secretaria de Educação com o objetivo de poder abrigar seus cabos eleitorais. No entanto, prefeitos experientes jamais entregaram a pasta da educação para grupos políticos. Os que fizeram isso se deram muito mal.

O líder espiritual vem perdendo fôlego, nos últimos anos, e nessa eleição recebeu uma poderosa mensagem de rejeição, pois seu grande poder político outrora inquestionável, foi confrontado com os que pregam que não se deve misturar política com religião. Melhor mesmo é cuidar da ‘saúde espiritual das ovelhas’.

“Caminhão de problemas”
A gestão da Secretaria de Educação de Parauapebas, a exemplo de todo o Brasil, sempre foi bastante problemática e complexa. No início da gestão do ex-prefeito Valmir Mariano (PSD), a Profª Francisca Ciza foi demitida após intensa pressão da categoria no ano de 2013. Em agosto de 2015, Juliana Sousa Santos, ex-secretária, chegou a ser presa durante a Operação “Desfecho”, acusada de má gestão dos recursos do transporte escolar.

Em 2019, Raimundo Neto foi exonerado da pasta após intensos conflitos de interesses e ingerência política de alguns vereadores na Secretaria de Educação. O atual secretário, Professor Luiz Vieira, que assumiu a pasta em fevereiro de 2019, vem resistindo bravamente as investidas da vereadora Eliene Soares que sempre tentou exercer poder político sobre a Semed. Essa resistência de Vieira em não aceitar ingerência política na pasta, vem lhe causando grande desgaste político e pessoal.

Procurado para se manifestar, Luiz Vieira falou que preferia não expressar seu ponto de vista. Disse apenas que confia na capacidade de discernimento de Darci Lermen.  O Secretário afirmou que seja qual for a decisão tomada pelo gestor do Município, ele estaria pronto para colaborar no que for preciso para o desenvolvimento de Parauapebas.

Fonte: Portal Debate Carajás

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!