O
edital para o concurso
público da Polícia Rodoviária Federal (PRF)
foi retificado devido a
um “erro material”.  A modificação atinge o quadro de vagas que passa a
vigorar da seguinte forma: Acre (17), Amazonas (28), Amapá (23), Bahia (17),
Goiás (27), Maranhão (18), Minas Gerais (9), Mato Grosso do Sul (35), Mato
Grosso (57), Pará (81), Piauí (22), Rio de Janeiro (10), Rondônia (74), Roraima
(15), Rio Grande do Sul (23), São Paulo (19) e Tocantins (25)
Ao
todos, o 
certame oferece 500 vagas imediatas para o
cargo de policial rodoviário federal em 17 estados. As oportunidades são para
profissionais com diploma de nível superior em qualquer área de formação. O
salário chega a até R$ 9,4 mil. 

O
policial rodoviário federal deve realizar atividades de natureza policial envolvendo
fiscalização, patrulhamento e policiamento ostensivo, atendimento e socorro às
vítimas de acidentes rodoviários. 
As
inscrições podem ser feitas através do site da banca organizadora do concurso,
Cebraspe,
a partir das 10h do dia 3 de dezembro de 2018 até às 18h do dia 18 de dezembro
de 2018. A taxa de inscrição custa R$ 150,00. 
Provas
O
concurso da PRF será composto por duas etapas. A primeira com prova objetiva,
discursiva, exame de capacidades físicas, avaliação de saúde, psicológica e de
títulos. Já a segunda é o curso de formação profissional. 
A
prova discursiva terá duração de 4h30 minutos e está marcada para ser aplicada
no dia 3 de fevereiro de 2019, no turno vespertino. Segundo o edital, entre os
conteúdos que exigidos na prova objetiva estão Língua Portuguesa, Raciocínio
Lógico e Matemático, Informática, Noções de Física, Ética no Serviço Público,
Geopolítica Brasileira, História da PRF, Legislação de Trânsito, e Noções de
Direito. 
Quantidade de vagas abaixo do esperado
Desde
o anúncio de que o concurso seria autorizado com 500 vagas, em fevereiro, pelo
ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, a PRF vem pedindo ao governo
1.500 vagas. A solicitação se deve ao déficit de pessoal de ao menos 2.898
policiais – atualmente o órgão conta com 10.200 policiais, mas a previsão legal
é de 13.098 policiais. Todos os estados estão com o efetivo abaixo do ideal.
Fonte: Correio Braziliense